Pelo menos 11 mortos em ataque israelita na Síria

Israel atacou alvos militares iranianos na Síria

O Observatório Sírio para Direitos Humanos (OSDH) informou esta segunda-feira que os ataques israelitas contra posições do regime sírio e do seu aliado iraniano na Síria provocaram pelo menos 11 mortos. Os ataques atingiram alvos na região de Damasco, perto do aeroporto internacional da capital, segundo o OSDH, uma organização não-governamental.

O exército israelita já tinha anunciado ter atacado, durante esta madrugada, alvos militares iranianos na Síria e alertaram Damasco para não retaliar. Na declaração emitida por Israel pode ler-se que o país "atacou alvos iranianos no território sírio", advertindo ainda as forças armadas sírias "contra qualquer tentativa de prejudicar as [suas] forças ou o território israelita".

No domingo, o exército de Israel divulgou que uma granada de morteiro disparada a partir de território sírio foi intercetada na zona dos montes Golã, sob controlo de Telavive, momentos depois do anúncio de raides israelitas na zona sul da Síria.

Nos últimos anos, aviões de combate israelitas têm atingido, de forma frequente, alvos do Irão e do seu aliado Hezbollah (grupo extremista islâmico) no território sírio. Encarados por Israel como grandes inimigos, Teerão e o Hezbollah têm ajudado o regime sírio liderado por Bashar al-Assad num conflito que assola a Síria desde 2011.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.