Pedro Sánchez prestou juramento como chefe do Governo Espanhol

É o primeiro chefe de Governo em Espanha que chega ao poder depois de ganhar uma moção de censura

O socialista Pedro Sánchez prestou este sábado juramento como primeiro-ministro do Governo espanhol perante o rei, Felipe VI, tornando-se o sétimo chefe do executivo da democracia espanhola, depois do sucesso de uma moção de censura.

O líder o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) tem agora de apresentar a composição do seu executivo e quando os nomes forem publicados no jornal oficial, o que deverá acontecer nos próximos dias.

Pedro Sánchez, um economista de 46 anos, é o primeiro chefe de Governo que chega ao poder depois ter ganho uma moção de censura, que neste caso afastou o líder do Partido Popular (PP, direita), Mariano Rajoy.

O secretário-geral do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) prescindiu da presença da Bíblia e do crucifixo, símbolos tradicionais neste tipo de cerimónia, que se realizou no Palácio da Zarzuela, arredores de Madrid, residência oficial do rei.

O líder o Partido Socialista Operário Espanhol tem agora de apresentar a composição do seu executivo, o que deverá acontecer nos próximos dias.

Pedro Sánchez deverá deslocar-se ainda hoje ao Palácio da Moncloa, sede oficial do Governo espanhol, que já foi abandonado por Mariano Rajoy.

O Congresso dos Deputados (parlamento) aprovou na sexta-feira por 180 votos a favor e 169 contra a moção de censura que afastou Rajoy e, ao mesmo tempo, investiu o novo primeiro-ministro.

Apesar de apenas ter 84 dos 350 deputados do parlamento espanhol, os socialistas conseguiram reunir o apoio de um total de 180 votos, que incluem os representantes do Unidos Podemos (Extrema-esquerda, 67), a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC, separatistas, nove), o Partido Democrático e Europeu da Catalunha (PDeCAT, separatistas, oito), o Partido Nacionalista Basco (PNV, cinco),o Compromís (nacionalistas valencianos, quatro), o EH Bildu (separatista basco, dois), e a Nueva Canarias (nacionalista, um).

Pedro Sánchez vai formar um Governo minoritário com ministros socialistas e independentes e o apoio parlamentar das restantes sete forças políticos, com muitos observadores a terem dúvidas sobre a estabilidade do novo executivo.

A atual legislatura iniciou-se com as eleições de 26 de junho de 2016 e terminará quatro anos depois, em 2020.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.