Pedro Sánchez ou o primeiro-ministro que governa por decreto

Desde que tomou posse em Espanha, faz este domingo três meses, o governo socialista de Pedro Sánchez já aprovou sete decretos-lei. Um dos mais controversos é sobre a exumação do ex-ditador Franco do Vale dos Caídos

Pedro Sánchez tem dado uma reviravolta na maneira de governar Espanha. Imprevisível e frontal, o socialista conta apenas com 84 deputados no Parlamento, num total de 350, o que faz do seu governo o mais minoritário e frágil de toda a história da democracia espanhola.

Para legislar a contrarrelógio, sem ter de recorrer a duras negociações com aliados como o Podemos ou os independentistas do País Basco ou Catalunha, o primeiro-ministro, de 46 anos, tem recorrido a um caminho mais fácil e rápido: o do decreto-lei.

Os líderes do Partido Popular e do Ciudadanos, Pablo Casado e Albert Rivera, respetivamente, têm criticado duramente Sánchez, "por ser o chefe do governo que mais decretos-lei tem aprovado por mês em toda a história da democracia espanhola".

Para Casado "é incrível que a mesma pessoa, Pedro Sánchez, que no fim de 2015, criticava Mariano Rajoy por usar decretos-lei, quando chega ao governo não só utiliza esse mesmo instrumento como abusa dele para evitar ter de dialogar"

Para Rivera "querem terminar com a separação de poderes em Espanha, é um abuso de poder muito perigoso, feito por decreto"

Há dias, a vice-primeira-ministra espanhola, Carmen Calvo, justificava o recurso aos decretos-lei "por ser um procedimento muito utilizado pelos executivos anteriores, de Mariano Rajoy, José Luis Rodríguez Zapatero, José María Aznar e de Felipe González e algo que não é excecional".

Constituição fala em medida extraordinária

Mas as declarações de Carmen Calvo não coincidem com o que a Constituição espanhola indica: "O Real decreto-lei deve-se utilizar só em caso de extraordinária e urgente necessidade".

Entre os sete decretos-lei aprovados por Sánchez desde que chegou à Moncloa, faz este domingo três meses, está o que versa sobre a polémica ideia de retirar os restos mortais do ex-ditador Franco do Vale dos Caídos.

Este estilo de governo por decreto não tem passado despercebido nos meios de comunicação social e está a provocar imensa polémica, entre os analistas, os grupos políticos da oposição e também na rua.

Manuel González, proprietário de um restaurante em Santiago de Compostela, na Galiza, não concorda com a exumação dos restos de Franco. "Com todos os problemas que temos em Espanha", afirma, "o que estamos a viver com tanto decreto polémico, juntamente com o crescimento da tensão na Catalunha, é surreal, divide ainda mais a sociedade espanhola e está a prejudicar muito o turismo".

Outra opinião tem a valenciana Elsa Madrid, que se encontra a fazer uma peregrinação a Santiago de Compostela. "É uma excelente ideia exumar os restos de Franco, ainda que veja com preocupação a tensão crescente na Catalunha". E conclui: "o maior problema que temos em Espanha neste momento é o conflito na Catalunha para o qual não se perfila uma solução a curto e médio prazo por parte do governo".

Os decretos-lei de Pedro Sánchez

O decreto-lei sobre a exumação de Franco foi aprovado pelo Conselho de Ministros a 24 de agosto, com o apoio do Podemos de Pablo Iglesias. A família de Franco confirmou que recorrerá da decisão.

Também por decreto foi decidida, por exemplo, a nomeação do Conselho de Administração e da presidência do Conselho de Administração de RTVE, Radio Televisão Pública espanhola, a adaptação à normativa europeia de proteção da dados e a aplicação de medidas em matéria de violência de género.

O recuo na subida de impostos para os rendimentos mais elevados

A única coisa que Pedro Sánchez não conseguiu ainda aprovar por decreto-lei é a subida do IRS para os rendimentos mais elevados. Há grandes discrepâncias com os seus aliados do Podemos.

Estes pediam um aumento de impostos logo a partir dos 60 mil euros de rendimentos anuais. O primeiro-ministro espanhol só aceita essa subida a partir dos 150 mil.

Por isso, no último momento, Sánchez tem recuado e tem deixado o decreto sobre este assunto na gaveta.

Isto porque o socialista precisa do apoio do Podemos e dos nacionalistas e independentistas da Catalunha e do País Basco para aprovar nas próximas semanas o Orçamento do Estado para 2019.

Recorde-se que Sánchez chegou ao poder depois de conseguir reunir apoios entre esses e outros partidos para aprovar uma moção de censura contra o governo do PP de Rajoy.

Correspondente da Cadena Cope e La Voz de Galicia e membro da Associação de Imprensa Estrangeira em Portugal

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.