Pediu a namorada em casamento 148 vezes sem que ela soubesse

Ray dizia que estava a captar imagens para mais tarde mostrar ao filho de ambos

Ray Smith, de 38 anos, passou cinco meses a tirar selfies com a namorada, Claire Bramley, de 33 anos, escondendo nelas um papelinho que tinha escrito a pergunta "Queres casar comigo?".

Com a desculpa de que estava a captar imagens para mais tarde mostrar ao filho de ambos (a namorada encontra-se atualmente no oitavo mês de gravidez), Ray, um inglês de Grimsby, tirou 148 fotos. Claire aderiu ao projeto do namorado e deixou-se fotografar sempre sem reparar no bilhetinho que aparecia atrás de si enquanto dormia, colado no sofá enquanto via televisão ou no seu pacote de batatas fritas.

Depois, no dia de Natal, Ray decidiu fazer o pedido oficial de casamento e abrir o jogo. "Fiquei totalmente surpreendida, mas este é o tipo de coisas que ele é capaz de fazer, gosta de fazer coisas românticas. Eu disse que sim, de imediato, não precisava de pensar. Fiquei emocionada, um pouco, mas afinal de contas também estou grávida", disse Claire, citada pela edição britânica do jornal 'Metro'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.