Pedido de desculpa da ETA é prova da força do Estado de direito

Governo espanhol considera ETA foi derrotada "com as armas da democracia"

O governo espanhol considerou esta sexta-feira que a declaração da organização separatista basca ETA, reconhecendo a dor causada pela luta armada e sua responsabilidade direta, é a consequência da força do Estado de direito.

"Esta é apenas mais uma consequência da força do Estado de direito que derrotou a ETA com as armas da democracia", afirmou o governo do conservador Mariano Rajoy, em comunicado.

"Há muito tempo que a ETA deveria pedir perdão", acrescentou.

Esta é apenas mais uma consequência da força do Estado de direito que derrotou a ETA com as armas da democracia

A ETA reconheceu hoje que tem "responsabilidade direta" no sofrimento excessivo de décadas da sociedade basca, com "mortos, feridos, torturados, sequestrados ou forçados a fugir para o exterior", algo que nunca devia ter "acontecido durante tanto tempo".

"Causamos muita dor e danos irreparáveis, queremos mostrar o nosso respeito aos mortos, feridos e vítimas das ações da ETA. Lamentamos muito", declarou a organização, num comunicado divulgado pelos jornais espanhóis Gara e Berria.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.