Pedido de desculpa da ETA é prova da força do Estado de direito

Governo espanhol considera ETA foi derrotada "com as armas da democracia"

O governo espanhol considerou esta sexta-feira que a declaração da organização separatista basca ETA, reconhecendo a dor causada pela luta armada e sua responsabilidade direta, é a consequência da força do Estado de direito.

"Esta é apenas mais uma consequência da força do Estado de direito que derrotou a ETA com as armas da democracia", afirmou o governo do conservador Mariano Rajoy, em comunicado.

"Há muito tempo que a ETA deveria pedir perdão", acrescentou.

Esta é apenas mais uma consequência da força do Estado de direito que derrotou a ETA com as armas da democracia

A ETA reconheceu hoje que tem "responsabilidade direta" no sofrimento excessivo de décadas da sociedade basca, com "mortos, feridos, torturados, sequestrados ou forçados a fugir para o exterior", algo que nunca devia ter "acontecido durante tanto tempo".

"Causamos muita dor e danos irreparáveis, queremos mostrar o nosso respeito aos mortos, feridos e vítimas das ações da ETA. Lamentamos muito", declarou a organização, num comunicado divulgado pelos jornais espanhóis Gara e Berria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...