PE contra ideia de registar cidadãos europeus por ordem alfabética no pós-brexit

Guerra do brexit continua. Governo de Theresa May estará a estudar registar cidadãos europeus por ordem alfabética depois da saída do Reino Unido da UE. Parlamento Europeu emite comunicado a dizer que é contra a ideia

O Ministério do Interior britânico está a estudar várias formas para lidar com o registo de cidadãos comunitários a viver no Reino Unido quando o processo começar no final deste ano. Tudo por causa do brexit. Uma dessas ideias é processar os pedidos de registo dos cidadãos por ordem alfabética e assim conseguir lidar com a forte afluência que é esperada.

A notícia foi avançada esta quarta-feira pelo Business Insider e já motivou uma reação do Parlamento Europeu. "O Grupo Diretor do Parlamento Europeu sobre o Brexit está fortemente preocupado com notícias de que o Ministério do Interior do Reino Unido está a considerar processar as candidaturas dos cidadãos europeus por ordem alfabética", lê-se num comunicado divulgado esta quinta-feira à tarde pelo presidente do grupo, o eurodeputado liberal, Guy Verhofstadt.

"Consideramos que uma tal abordagem é complicada, arbitrária e iria criar uma confusão desnecessária e incerteza para milhares de cidadãos da UE que já vivem num limbo. Aqueles que têm nomes com letras do fim do alfabeto poderiam não ver o seu estatuto confirmado antes de 2020 ou mais tarde, o que seria intolerável e contrário ao espírito de garantias anteriormente recebidas", prossegue o comunicado dos eurodeputados, sublinhando que, para o Parlamento Europeu, "o sistema de registo deve ser simples, justo, amigo do utilizador, livre e fornecer garantias aos cidadãos da UE".

Segundo a notícia do Business Insider o registo por ordem alfabética visa 3,6 milhões de cidadãos europeus que, depois da saída do Reino Unido da UE, prevista para 29 de março de 2019, terão que confirmar o seu direito de permanência em território britânico. Para isso terão que provar que vivem no país há mais de cinco anos.

Neste momento, vivem 400 mil portugueses no Reino Unido e, em julho, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse ter obtido do ministro do Interior britânico, Sajid Javid, a garantia de que "os direitos dos cidadãos portugueses que hoje vivem e trabalham no Reino Unido estão plenamente garantidos, quer os seus direitos, quer o direito à reunificação familiar, a beneficiarem das prestações sociais a que tenham acesso para si e seus dependentes, tudo está bem estabelecido".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.