Paz e reconciliação: a mensagem de Pocahontas nunca foi tão atual

Faz hoje 400 anos que a índia, filha do chefe Powhatan, foi sepultada em Gravesend, no Reino Unido, onde morreu após adoecer no navio que a levava de volta à América.

Para quem viu o filme da Disney, Pocahontas é a princesa índia que se apaixona pelo inglês John Smith numa América ainda colónia britânica. E pouco mais. Mas a verdadeira Pocahontas, a que faz hoje 400 anos, foi sepultada em Gravesend, uma terriola na costa do Kent depois de adoecer no navio que a levava de volta à América, foi muito mais do que isso. Filha de um chefe índio, terá ajudado a salvar a vida de Smith, mas acabou raptada pelos colonos. Enquanto convivia com os sequestradores, foi batizada e veio a casar com o comerciante de tabaco John Rolfe. Foi com ele e com o filho pequeno que viajou até Londres, onde conheceu o rei Jaime I e onde foi recebida como uma estrela.

"Ela lutou por duas coisas: paz e reconciliação. É uma recordação constante de que pessoas com origens diferentes podem conviver de forma pacífica", explicou ao jornal online Kent News o reverendo Chris Stone, responsável pela Igreja de St. George. É ali que se pensa estar sepultada Pocahontas. Os registos dão conta do enterro, a 21 de março de 1617. Mas o fogo destruiu a igreja original em 1727, não sendo possível saber onde ficava a sepultura da índia, mesmo se "se pensa que possa ficar por baixo do altar", garante o reverendo Stone.

A lenda de Pocahontas começou a desenhar-se em 1607 quando, com 13 ou 14 anos, a filha do chefe Powhatan - nascida Matoaka, mas cuja alcunha, Pocahontas, significava "a brincalhona" - impediu o pai de executar John Smith, o capitão da Marinha britânica que acabara de desembarcar em Jamestown, na Virgínia. O romance entre ambos nunca foi confirmado por fontes fiáveis e o próprio episódio do salvamento de Smith só nos chega através do relato do próprio. Mas o amor de Pocahontas e John Smith não só inspirou o filme de animação da Disney, que estreou em 1995, como O Novo Mundo, de Terrence Mallick (2005), com Q"Orianka Kilcher e Colin Farrell nos papéis principais.

A Pocahontas da Disney

Com John Smith já a caminho de Inglaterra, Pocahontas foi raptada pelos colonos, que exigiram à tribo dos Algonquian e ao seu chefe Powhatan um resgate pela filha mais nova. A refém parece ter-se deixado contagiar pela cultura dos sequestradores. Primeira indígena convertida ao cristianismo, o seu batismo não só está representado num vitral da Igreja de St. George em Gravesend como é tema de uma pintura de John Gadsby Chapman que pode ser vista no Capitólio em Washington.

Após mudar o nome para Rebecca, a índia "começou a tornar-se inglesa", explica ao Kent News John Rolfe, descendente do comerciante homónimo com o qual Pocahontas veio a casar. Os Rolfes - John, Rebecca e o filho, Thomas - embarcam para Inglaterra em 1616, tendo sido recebidos pela corte que viam na indígena uma "selvagem civilizada". O casal chegou mesmo a ser recebido pelo rei Jaime I.

Retrato de Pocahontas - ou Rebecca Rolfe - o único feito quando ela estava viva

Figura icónica, símbolo de casamento inter-racial que não deixava de surpreender a sociedade britânica, Pocahontas tinha uma missão atribuída: "promover a união de duas culturas e mostrar às pessoas que podiam trabalhar em conjunto num esforço coletivo. Esta é uma das razões pelas quais ainda é recordada, porque estes foram os seus atos mais significativos", garantiu o descendente John Rolfe.

Em Inglaterra, Pocahontas terá reencontrado John Smith, mas recusado falar-lhe. Já no barco que iniciava a viagem a caminho da América, a índia adoece. Sarampo, pneumonia, tuberculose, não se sabe bem do que terá morrido, depois de desembarcar às pressas em Gravesend, onde hoje uma estátua de bronze se ergue junto à Igreja de St. George. Tinha apenas 21 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.