Paulo Rangel na delegação do Parlamento Europeu que vai reunir com Guaidó

O eurodeputado português, vice-presidente do grupo do Partido Popular Europeu, viaja para Caracas onde tem marcados contactos com diplomatas, ONG's, partidos representados na Assembleia Nacional e Juan Guaidó. Ainda não foi confirmado encontro com membro do governo de Nicolás Maduro.

O eurodeputado Paulo Rangel, eleito pelo PSD e vice-presidente do grupo do Partido Popular Europeu (PPE), viaja este domingo para a Venezuela, numa delegação que inclui outros dois vice-presidentes e mais dois eurodeputados, para analisar no terreno a situação que se vive no país. Entre os vários encontros previstos está um com o presidente da Assembleia Nacional e presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

"A principal razão que me moveu a ir é para perceber no terreno como é que as coisas estão e só in loco é que se pode perceber", disse ao DN Paulo Rangel, que é o cabeça de lista do PSD às europeias de maio.

Na agenda da viagem, entre a tarde de domingo e terça-feira à noite, estão previstos encontros com diplomatas - nomeadamente a embaixadora da União Europeia em Caracas, Isabel Brilhante Pedrosa - com organizações não-governamentais e com todos os partidos com representação na Assembleia Nacional, além de Guaidó. O Parlamento Europeu reconheceu oficialmente o presidente da Assembleia Nacional como presidente interino da Venezuela.

Também foi pedido um encontro com membros do governo do presidente Nicolás Maduro: "A resposta de princípio, obviamente a um nível que não será o mais elevado, é de que haveria disponibilidade para isso. Houve uma disponibilidade de princípio, mas não há uma confirmação. Julgo que ainda irão avaliar", afirmou.

"É uma iniciativa que eu e o colega espanhol [Esteban González Pons] tomámos. Achamos que é muito importante visitar a Assembleia Nacional e ter contacto com Juan Guaidó. Vamos visitar todos os partidos que estão representados na assembleia legítima para compreender a situação política, em que pé é que está, mas também a da ajuda humanitária", indicou.

"Também estaremos disponíveis para falar com o governo de facto de Maduro no sentido de ouvir a sua perspetiva e podermos contrapor as nossas, explicar melhor a posição do Parlamento Europeu e procurar fazer alguma pedagogia da necessidade que consideramos claríssima de organizar eleições presidenciais", acrescentou.

Questionado sobre a possibilidade de não ser autorizado a entrar, Paulo Rangel diz que receberam um convite formal da Comissão de Negócios Estrangeiros da Assembleia Nacional. "Nós preparámos a visita no sentido de acautelar todas as situações. Diria que o sinal que tivemos até agora é o de que podemos ir, mas não excluo nenhum cenário. A preparação da visita está a decorrer normalmente", referiu.

Além de Rangel e Pons, a comitiva inclui uma terceira vice-presidente do grupo do PPE, a holandesa Esther de Lange, assim como mais dois eurodeputados e o secretário-geral adjunto do grupo parlamentar do PPE, Juan Salafranca.

"O objetivo da visita é fazer uma avaliação da situação política e humanitária e explicar que a realização de eleições presidenciais organizadas de acordo com regras justas e livres, com algum acompanhamento internacional que possa dar garantias a todas as partes, seria a melhor forma de resolver este bloqueio e esta crise. E também queríamos deixar esse sinal ao lado de Maduro, que o que move a União Europeia é conseguir uma solução que possa ser aceite por todas as partes", indicou o eurodeputado português.

O presidente norte-americano, Donald Trump, prevê fazer um discurso sobre a Venezuela na segunda-feira, em Miami. Questionado sobre as eventuais ações dos EUA contra a Venezuela, Rangel diz que a posição da União Europeia e da maior parte dos países a União Europeia é "a posição correta" e que, apesar de se rever na ajuda humanitária que os EUA querem dar, considera "negativa" qualquer intervenção de outro tipo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?