Paulo Flores "surpreendido com endurecimento" da repressão em Angola

No novo álbum, o cantor que critica a falta de liberdade em Angola põe o público a dançar e a pensar "sobre as coisas sérias do país"

O músico angolano Paulo Flores lança na quarta-feira o 15.º álbum da carreira, "Bolo de Aniversário", imperando, ao lado de "temas mais dançantes", a crítica política e social ao regime de Luanda, cujo "endurecimento da repressão" o surpreende.

Em declarações à agência Lusa, Paulo Flores, que apresenta o novo disco num espetáculo a realizar na quarta-feira à noite, no Casino Estoril, arredores de Lisboa, mostrou-se "preocupado" com o futuro de Angola, face à "postura de endurecimento" do regime e pelo "exagero nos atropelos aos Direitos Humanos" no país.

"Neste momento, fiquei um pouco surpreendido pelo endurecimento da postura (das autoridades angolanas). Numa altura em que se esperava que houvesse uma maior abertura e construção, com todos incluídos, acabo por perceber que endureceu-se bastante a posição e parece-me, pelo que sei e pelo que observo, um exagero e um atropelo aos direitos humanos. É preocupante e já falo nisso há algum tempo", afirmou.

Sempre cantei as minhas músicas e muitas vezes elas foram consideradas críticas (ao regime), mas nunca senti tanta repressão, ou tanta má vontade

"Este tipo de postura não é tolerável. As pessoas consideram logo que estamos contra o próprio país. Isso deixa-me muito preocupado", frisou Paulo Flores.

O músico angolano, natural de Cazenga, Luanda, onde nasceu a 01 de julho de 1972 (43 anos), salienta que, ao criticar, nada mais faz do que "exercer a cidadania", algo que, frisou, "nada tem a ver com partidos políticos".

"Às vezes tenho de explicar às pessoas em Angola, que ficam muito chateadas comigo quando tomo certas posições ou escrevo certas músicas, que, para mim, no fundo, é exercer a minha cidadania, não tem rigorosamente nada a ver com partidos políticos", sublinhou.

Lembrando que, no passado, tem defendido alterações ao regime - "defendi um país onde pensar diferente não seja um crime", tal como no vídeo de apoio aos "revus" -, Paulo Flores insistiu na aposta de dar aos angolanos "maior acesso à informação, à educação e à memória".

"Enquanto não houver esse interesse numa partilha que seja, de facto, efetiva para todos, vai ser muito difícil", sustentou, defendendo também a necessidade de se dar, "de facto", voz à sociedade civil.

Em relação a "Bolo de Aniversário", o 15.º álbum da carreira, simboliza, disse, "um pouco o direito das pessoas celebrarem, de continuarem a ter esperança, apesar de todas as dificuldades", pelo que é "mais festivo", logo, "mais dançante".

"Tem muitas músicas para dançar, mas voltando um pouco a uma receita que usava no início, que era pôr as pessoas a pensar e a falar sobre nós. Só conseguia passar a mensagem se dançassem primeiro (a música). Este disco tem um pouco essa abordagem, de dançarmos sobre coisas sérias do nosso país", disse.

Para Paulo Flores, em Angola, muitas situações acabam por ser politizadas e muitas vezes é-se apanhado nesse meio.

"Mas a minha intenção é sempre criativa, falar das pessoas, da generosidade das pessoas, e da capacidade que têm. Quando falo da falta de acesso à educação, ou dos problemas mais básicos, a coisa acaba por se tornar, por vezes, política. Mas a intenção é sempre de contabilizar as pessoas, que, muitas vezes, são postas de parte", sublinhou.

"Com o novo disco, pretendo obrigá-las a pensar e fazê-las sentir que têm esse direito. Espero que cada fatia desse "Bolo" seja um pouco um renovar de identidade, de caráter e de vontade de fazer parte de uma coisa que seja melhor para todos", enfatizou.

Antes de "Bolo de Aniversário", Paulo Flores lançou "Kapuete" (1988), "Sassasa" (1990), "Coração Farrapo e Cherry" (1991), "Brincadeira Tem Hora" (1993), "Inocente" (1995), "Perto do Fim" (1998), "Recompasso" "2001", "Quintal do Semba" (2002), "Xé Povo" (2003), "The Best" (2003), "Ao Vivo" (2004), "Ex-combatentes" (2009), "Ex-combatentes Remix" (2012) e "O País Que Nasceu Meu Pai" (2013).

"Bolo de Aniversário" conta com 11 canções, com a participação de quase duas dezenas de músicos, entre angolanos, portugueses, brasileiros, cabo-verdianos e guineenses, e tem, disse Paulo Flores, "muitas influências do que se tocava no final dos anos 1980", vindas do Haiti, Cuba, Congo, algumas kizombas, semba e afro mais eletrónica.

"Uma mistura de estilos, mas todos mais dançantes", concluiu, lembrando que o novo disco será apresentado, na íntegra, na primeira parte do espetáculo no Casino Estoril, com a segunda a relembrar "alguns dos êxitos" do passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.