Passageiros do metro de Londres relatam ferimentos

Vários passageiros sofreram queimaduras no rosto na sequência de uma explosão registada na estação de metropolitano de Parsons Green, no sudoeste de Londres, indicam meios de comunicação social britânicos.

A estação foi encerrada e a linha (District Line) foi cortada.

Segundo as notícias citadas pela agência EFE, a explosão ocorreu numa das composições do comboio.

Muitos passageiros referem também que ouviram gritos na altura em que os ocupantes das composições tentavam sair da estação através das escadas de saída e que alguns apresentavam ferimentos.

"Creio que estavam feridos pelo artefacto ou por uma coisa parecida", disse aos jornalistas Richar Aymler-Hall, um homem de 53 anos que viajava no comboio afetado.

"Estamos perante um incidente em Parsons Green. Os agentes estão no local e a estação está encerrada", disse a Polícia de Transportes de Londres.

Por outro lado, a Transport for London (TfL), que opera o metropolitano da capital britânica assinalou que está a investigar o "incidente" na estação e pediu aos passageiros que habitualmente utilizam a linha District procurem alternativas de transporte.

Os serviços de emergência britânicos encontram-se na estação, uma das principais da cidade, logo após ter sido assinalado o "incidente", às 07:21.

A ocorrência de "um incidente" junto à estação de Parsons Green, em Londres, foi anunciada hoje de manhã pela polícia e por elementos dos serviços de ambulâncias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.