Partilhar imagem de Putin como palhaço ou gay pode dar prisão

Imagem de Vladimir Putin maquilhado foi classificada como um item extremista e banido no país

É agora ilegal na Rússia divulgar ou partilhar na internet uma imagem do presidente Vladimir Putin com "os olhos e os lábios maquilhados".

A imagem - que representa o presidente como um palhaço ou como uma pessoa homossexual - foi acrescentada na semana passada à lista dos itens extremistas cuja divulgação na internet pode resultar em pena de prisão, segundo o The Moscow Times.

O Washington Post refere que vários jornais russos estão a ter dificuldades em exemplificar ao público qual é a nova imagem banida no país. O ministério da Justiça russo explicou apenas que é proibido publicar uma imagem de Putin com "os olhos e os lábios maquilhados" que sugira uma "suposta orientação sexual não tradicional do presidente".

Nas redes sociais, algumas pessoas partilham imagens que poderiam ser a mencionada na nova medida.

A imagem de Putin com maquilhagem tornou-se popular nas redes sociais em 2013, quando a Rússia aprovou uma lei que proibia a divulgação de publicidades que mostrassem "relações sexuais não tradicionais". A medida ficou conhecida como lei contra a propaganda gay e provocou grande contestação no país.

Desde então a divulgação desta imagem apenas aumentou. Um porta-voz do Kremlin disse à agência de notícias russa Tass que com certeza Putin não se importava com a imagem.

[destque:Imagem é o item número 4071 de uma lista de materiais extremistas que não devem ser divulgados]

A lista foi criada em 2013 e tem neste momento 4074 itens, segundo o The Moscow Times. No âmbito desta decisão judicial, cidadãos russos foram presos por publicarem conteúdos proibidos e até por colocarem gostos neste tipo de conteúdos.

Em 2015 a Rússia encerrou também vários sites na internet.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.