Parlamento Europeu rejeita listas transnacionais

Parlamento Europeu rejeita listas que poderiam significar perda de eurodeputados após o Brexit

O Parlamento Europeu rejeitou a ideia da criação de listas transnacionais ao aprovar hoje, em Estrasburgo, a proposta sobre a sua futura composição, que garante que nenhum Estado-membro perde eurodeputados após o 'Brexit'.

Na votação hoje realizada no hemiciclo de Estrasburgo, os eurodeputados rejeitaram o artigo sobre as listas transnacionais, proposto pela comissão parlamentar dos Assuntos Constitucionais, com 368 eurodeputados a votar a favor da sua supressão do texto final, 274 contra e 34 abstenções.

As referências a estas listas foram igualmente retiradas da resolução que acompanha a proposta, apontando simplesmente os eurodeputados que a redução da dimensão do PE "deixará uma margem de lugares para um eventual futuro alargamento da União Europeia".

Segundo a proposta hoje adotada pela assembleia, que será agora enviada ao Conselho Europeu -- e discutida pelos chefes de Estado e de Governo da UE na cimeira informal agendada para 23 de fevereiro -, dos 73 assentos no Parlamento libertados pela saída do Reino Unido (com o 'Brexit', o número de eurodeputados diminuirá de 751 para 705), 27 serão redistribuídos por 14 Estados-Membros, à luz do princípio da proporcionalidade degressiva, mantendo Portugal o atual número de eurodeputados (21) nas eleições europeias de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.