Parlamento Europeu quer que Marine Le Pen devolva 300 mil euros. Ela recusa

A candidata da extrema direita às presidenciais francesas recusa devolver 300 mil euros ao Parlamento Europeu, relacionados com o emprego de uma assistente parlamentar

Marine Le Pen, candidata da Frente Nacional às presidenciais francesas, recusou o pedido feito pelo Parlamento Europeu para que devolvesse cerca de 300 mil euros relativos à contratação de uma assistente parlamentar. Trata-se da sua amiga e secretária Catherine Griset, empregada como "assistente acreditada" de 2010 a 2016.

A comunicação de Le Pen de que não restituiria a verba foi feita no limite do prazo. Marine Le Pen tinha até ao dia 31 de janeiro para restituir a quantia. O Parlamento Europeu sustentou a decisão por ter concluído que Catherine Griset trabalhava na realidade para a Frente Nacional e não no PE.

Para além do caso Griset, está ainda em causa um montante superior a 41.500 euros, para remunerar o guarda costas pessoal de Le Pen, Thiérry Légier, segundo o jornal Paris Le Match.

"Contesto formalmente esta decisão, unilateral e ilegal", declarou Marine Le Pen.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.