Deputados paquistaneses escolheram o próximo presidente do país

Resultados da votação serão enviados ao Governo na quarta-feira pela Comissão Eleitoral paquistanesa

Os parlamentares das duas câmaras do Parlamento paquistanês e das quatro Assembleias Provinciais do país votaram esta terça-feira para eleger o 13.º Presidente do país, que sucederá a Mamnoon Hussain, cargo a que aspiram três candidatos.

Os resultados da votação, que terminou às 16:00 (13:00 em Lisboa), serão enviados na quarta-feira ao Governo pela Comissão Eleitoral do Paquistão, segundo disse um porta-voz da instituição, Muhammed Nadeem Qasim, à agência Efe.

"Cabe ao Governo decidir quando anunciará os resultados", acrescentou a mesma fonte.

Os três candidatos são Arif Alvi, do partido no Governo Tehreek-i-Insaf (PTI); Aitzaz Ahsan, do Partido Popular do Paquistão (PPP), presidido por Bilawal Bhutto, e Fazlur Rehman, do Muttahida Majlis-e-Amal (MMA), que conta com o apoio da Liga Muçulmana do Paquistão (PML-N).

"Um total de 12 candidatos apresentaram-se à eleição, dos quais oito foram rejeitados, um retirou-se e os três restantes mantêm-se elegíveis", disse o porta-voz.

Na votação participam 1.174 eleitores, 728 parlamentares das quatro assembleias provinciais, 104 do Senado e 342 da Assembleia Nacional ou Congresso.

Prevê-se que Alvi seja o vencedor, depois de o seu partido ter ganhado as eleições de 25 de julho e de o seu líder, Imran Khan, ter sido investido em meados de agosto como primeiro-ministro do país.

As eleições de julho ficaram marcadas por denúncias de fraude, com o anúncio dos resultados a ser adiado mais de dois dias e com acusações de vários partidos de que os seus representantes foram expulsos dos colégios eleitorais durante a contagem dos votos.

Durante a campanha eleitoral, partidos e grupos de direitos humanos denunciaram pressões por parte dos "poderes estabelecidos" (uma alusão aos militares) à imprensa e alguns candidatos para favorecer o PTI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.