Deputados paquistaneses escolheram o próximo presidente do país

Resultados da votação serão enviados ao Governo na quarta-feira pela Comissão Eleitoral paquistanesa

Os parlamentares das duas câmaras do Parlamento paquistanês e das quatro Assembleias Provinciais do país votaram esta terça-feira para eleger o 13.º Presidente do país, que sucederá a Mamnoon Hussain, cargo a que aspiram três candidatos.

Os resultados da votação, que terminou às 16:00 (13:00 em Lisboa), serão enviados na quarta-feira ao Governo pela Comissão Eleitoral do Paquistão, segundo disse um porta-voz da instituição, Muhammed Nadeem Qasim, à agência Efe.

"Cabe ao Governo decidir quando anunciará os resultados", acrescentou a mesma fonte.

Os três candidatos são Arif Alvi, do partido no Governo Tehreek-i-Insaf (PTI); Aitzaz Ahsan, do Partido Popular do Paquistão (PPP), presidido por Bilawal Bhutto, e Fazlur Rehman, do Muttahida Majlis-e-Amal (MMA), que conta com o apoio da Liga Muçulmana do Paquistão (PML-N).

"Um total de 12 candidatos apresentaram-se à eleição, dos quais oito foram rejeitados, um retirou-se e os três restantes mantêm-se elegíveis", disse o porta-voz.

Na votação participam 1.174 eleitores, 728 parlamentares das quatro assembleias provinciais, 104 do Senado e 342 da Assembleia Nacional ou Congresso.

Prevê-se que Alvi seja o vencedor, depois de o seu partido ter ganhado as eleições de 25 de julho e de o seu líder, Imran Khan, ter sido investido em meados de agosto como primeiro-ministro do país.

As eleições de julho ficaram marcadas por denúncias de fraude, com o anúncio dos resultados a ser adiado mais de dois dias e com acusações de vários partidos de que os seus representantes foram expulsos dos colégios eleitorais durante a contagem dos votos.

Durante a campanha eleitoral, partidos e grupos de direitos humanos denunciaram pressões por parte dos "poderes estabelecidos" (uma alusão aos militares) à imprensa e alguns candidatos para favorecer o PTI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.