Paridade e mistura entre políticos e sociedade civil no governo Macron

Além do primeiro-ministro Édouard Philippe, há outros dois membros d'Os Republicanos no governo, assim como dois socialistas. Há 11 homens e 11 mulheres no governo.

O governo do novo presidente francês, Emmanuel Macron, ultrapassa como prometido as barreiras da esquerda e da direita, com ministros que vão desde Os Republicanos ao Partido da Esquerda Radical (centro-esquerda), passando pelo Partido Socialista ou o Movimento Democrático (centro), incluindo ainda várias figuras da sociedade civil.

Como prometido, existe ainda paridade de género, não contando com o primeiro-ministro Édouard Philippe: 11 homens e 11 mulheres. São nove ministros e dois secretários de Estado de cada sexo. O primeiro Conselho de Ministros será amanhã, quinta-feira, às 11.00 locais (10.00 em Lisboa).

François Bayrou, do Movimento Democrático, concorreu a várias eleições presidenciais, mas este ano abdicou de o fazer a favor do centrista Macron, do En Marche!. Foi recompensado com a pasta da Justiça, sendo um dos três ministros de Estado. Os outros são o socialista Gérard Collomb, que fica com a pasta do Interior, e o independente Nicolas Hulot, célebre ecologista, que assume a Transição Ecológica e Solidária.

O antigo candidato às primárias de centro e direita, Bruno Le Maire, d'Os Republicanos, será o ministro a Economia. Além de Philippe e de Le Maire, o partido de direita será ainda representado por Gérald Darmanin, ministro da Ação e das Contas Públicas.

O campo socialista, além de Collomb no Interior (alegadamente ele foi o responsável pela aproximação entre Macron e Bayrou), terá Jean-Yves Le Drian (ministro da Defesa do ex-presidente François Hollande) como ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros.

Já o Movimento Democrático (MoDem), além de Bayrou, estará representado por Marielle de Sarnex, ministra responsável pelas Questões Europeias.

Do En Marche de Macron estão no governo Sylvie Goulard (antiga membro do MoDem) que será ministra das Forças Armadas (desaparece a denominação Defesa e regressa a usada pela última vez em 1974). Richard Ferrand (vindo do campo socialista), é o ministro da Coesão dos Territórios, enquanto outro antigo socialista Christophe Castaner será secretário de Estado responsável pelas relações com o Parlamento, além de porta-voz do Governo. Já Mounir Mahjoubi, de origem marroquina, será secretário de Estado para o Digital. O empresário que apoiou a campanha de François Hollande em 2012, sendo nomeado mais tarde por ele para o organismo consultivo sobre o tema do digital. No passado foi militante socialista, mas desde janeiro está no En Marche!

Representado no governo está também o Partido Radical da Esquerda (de centro esquerda), através de Jacques Mézard, novo ministro da Agricultura, e Annick Girardin, que assume a pasta do Territórios Ultramarinos.

No total há dez ministros da chamada sociedade civil, sem ligação a um partido. Um deles é precisamente o ecologista Hulot, que tem uma fundação com o seu nome e é conhecido em França pela série de documentários Ushuaia. Hulot já tinha recusado propostas de anteriores presidentes.

Françoise Nyssen, CEO da editora Actes-Sud, será a ministra da Cultura. Laura Flessel, antiga campeã de esgrima, é a nova ministra do Desporto. Frédérique Vidal, que assume a pasta do Ensino Superior, é um professor universitário. Já Jean-Michel Blanquer, que já desempenhou funções como diretor-geral do Ensino, será o ministro da Educação.

A médica Agnès Buzyn, até agora presidente da Alta Autoridade de Saúde, assume a pasta das Solidariedade e da Saúde. Muriel Pénicaud, diretora-geral da Business France (a agência francesa equivalente à portuguesa AICEP), é a ministra do Trabalho. Marlène Schiappa, antiga bloguer, é secretária de Estado responsável pela Igualdade das Mulheres e dos Homens.

A ex-diretora de gabinete da Ségolène Royal, Élisabeth Borne, que desde maio de 2015 estava à frente da gestão dos transportes parisienses, será a ministra da Transição Ecológica responsável pelos Transportes. Sophie Cluzel, fundadora de várias associações de escolarização de crianças deficientes, será secretário de Estado para as Pessoas com Deficiência.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.