"Parece a Maggie Simpson". O restauro (desastroso) da estátua de Jesus

Artista canadiana ofereceu-se para esculpir a cabeça do menino Jesus, depois de a estátua ter sido vandalizada

A intenção era boa, mas o resultado foi... uma catástrofe. O episódio faz lembrar o de Espanha, em que a voluntariosa Cecilia Giménez quis restaurar uma pintura do rosto de Jesus e o resultado foi, no mínimo, pouco convencional: em Sudbury, no Canadá, uma artista local ofereceu-se para restaurar uma estátua em que faltava a cabeça do menino Jesus e decidiu esculpi-la em barro, colocando-a em cima do corpo de pedra branca.

A versão final faz virar cabeças, não só pela cor da cabeça do menino Jesus, alaranjada devido ao material, mas também pelos traços desproporcionados e as ondas do cabelo. Nas redes sociais, há quem aponte parecenças à mais nova da família Simpson, a bebé Maggie.

Segundo o The Guardian , a estátua, em frente a uma igreja católica, foi vandalizada e a cabeça original desapareceu. Quando o padre da paróquia começou a bater às portas das empresas locais para tentar resolver o problema, recebeu agradado a sugestão de Heather Wise, artista local, que queria ser autora do restauro. À imprensa local, Wise disse que ficara magoada ao ver a estátua naquele estado e sentira que, por ser artista, deveria fazer alguma coisa. Tinha estudado escultura, mas nunca tinha trabalhado em pedra, por isso decidiu trabalhar em barro. "Fazer uma estátua do menino Jesus para uma igreja é uma honra para a minha carreira", disse, revelando que, no próximo ano, pretende fazer uma cabeça em pedra.

Já os paroquianos, agitados, questionaram o padre sobre a obra de arte, tendo este respondido que se trata efetivamente de uma solução temporária. "Foi uma primeira tentativa", garantiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.