Para entender as eleições em Hong Kong

Perguntas e respostas sobre o ato eleitoral neste território devolvido à China em 1997.

O que distingue as eleições em Hong Kong?

Apenas metade dos deputados (35 em 70) são escolhidos pelo voto de um universo de 3,8 milhões de eleitores. Os restantes 35 são eleitos indiretamente através de círculos funcionais, que correspondem a áreas de atividade industrial, financeira, educativa, rural, artística e outras. Existem 28 círculos, que elegem um deputado cada, com exceção do círculo do Trabalho, que elege 3, Os círculos funcionais correspondem a cerca de 240 mil eleitores. Houve uma afluência recorde, tendo votado 58% dos inscritos.

Qual a principal surpresa da eleição de ontem?

O resultado conseguido pelos partidos pró-democracia, registando-se ainda a entrada no Conselho Legislativo de dois deputados do Jovem Aspiração, criado na sequência das manifestações anti-Pequim de 2014, conhecidas como a "Revolução dos Chapéus de Chuva". Os partidos pró-democracia têm 17 eleitos, a que se somam mais dez escolhidos pelos círculos funcionais. O campo pró-Pequim conta 43 eleitos.

Qual a margem de ação dos pró-democracia?

O resultado alcançado permite à oposição manter um terço dos deputados indispensáveis para o voto de bloqueio nas leis mais importantes, nomeadamente sobre alterações ao processo eleitoral, despesa pública e à ação do próprio governo do território.

Resultado reforça cenário de independência?

Os elementos da nova geração, que se revê principalmente nos partidos ditos "localistas", como o Jovem Aspiração, defendem se não a independência total face a Pequim, pelo menos uma vasta autonomia, que passaria pela eleição livre dos deputados do Conselho Legislativo como do próprio chefe do Executivo, também escolhido de forma indireta por um colégio eleitoral, atualmente de 1200 pessoas. As formações tradicionais pró-democracia advogam as eleições diretas e autonomia, mas mostram grande contenção face a um cenário de independência do território devolvido a Pequim em 1997.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.