Paquistanesa ilibada e libertada depois de 20 anos no corredor da morte

Asma Nawab tinha 16 anos quando os pais e o irmão foram mortos, aparentemente durante uma tentativa de assalto. A jovem, o namorado e outras duas pessoas foram detidos e condenados à morte

Uma paquistanesa que foi condenada à morte em 1998 pelo homicídio da família foi ilibada e libertada depois de 20 anos no corredor da morte, anunciou esta sexta-feira o seu advogado.

Asma Nawab tinha 16 anos quando os pais e o irmão foram mortos, aparentemente durante uma tentativa de assalto.

O triplo assassínio, ocorrido na cidade portuária de Carachi (sul), suscitou na altura grande indignação, apesar dos elevados níveis de violência -- política, étnica e religiosa - registados habitualmente naquela que é a mais populosa cidade do Paquistão, com cerca de 15,5 milhões de habitantes.

Asma, o namorado, Farhan Ahmed, e outras duas pessoas foram detidos e condenados à morte, acusados de terem querido ver-se livres da família porque esta se opunha à união.

Os advogados da jovem mulher só puderam recorrer para o Supremo Tribunal em 2015 e a decisão desta instância foi libertar Asma Nawab.

"O Supremo Tribunal considerou não haver provas suficientes contra a minha cliente e por isso ela foi libertada", disse o advogado, Javed Chatari, que a defende desde o início do processo, em 1998.

Asma Nawab saiu da prisão na quinta-feira, precisou, citado pela agência France Presse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.