Papa implora "perdão do Senhor" pelas vítimas de abusos sexuais na Irlanda

No segundo e último dia de visita, Francisco esteve no Santuário de Knock.

O Papa Francisco "implorou" hoje "o perdão do Senhor" pelas agressões sexuais cometidas na Irlanda por padres católicos, no segundo dia da sua visita ao país.

"Eu imploro o perdão do Senhor por esses pecados, pelo escândalo e traição sentidos por muitos na família de Deus", disse o Papa durante uma visita ao Santuário de Knock, a cerca de 180 quilómetros de Dublin.

Desde 2002, mais de 14 500 pessoas foram vítimas de abuso sexual por padres na Irlanda. A hierarquia da igreja irlandesa é acusada de ter encoberto centenas de sacerdotes.

Várias investigações também revelaram práticas de adoções ilegais de crianças nascidas de mulheres solteiras, realizadas pelo Estado irlandês com a cumplicidade da igreja católica.

A magnitude dos escândalos explica em parte a perda de influência da igreja sobre a sociedade irlandesa, historicamente muito católica nos últimos anos.

"Nenhum de nós pode deixar de se sentir movido pelas histórias de menores que sofreram abusos, que foram roubados da inocência e que foram deixados para trás por lembranças dolorosas. Esta ferida aberta desafia-nos a sermos firmes e determinados na busca da verdade e da justiça", disse o pontífice citado pela AFP.

No sábado, em Dublin, o papa tinha falado da sua "vergonha" e "sofrimento" perante o "fracasso das autoridades eclesiásticas" em lidar adequadamente com os "crimes desprezíveis" do clero na Irlanda.

Antes de Francisco, Bento XVI, seu antecessor, escreveu em 2010 uma carta a todos os católicos irlandeses, reconhecendo a responsabilidade da igreja nos abusos cometidos na Irlanda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".