Papa envergonhado com "crimes repugnantes" de abusos na Irlanda

Francisco está hoje e amanhã na República da Irlanda, onde a Igreja tem vindo a perder força por causa dos escândalos, e no primeiro discurso reconheceu como a instituição foi incapaz de lidar com os abusos sexuais

O Papa Francisco admitiu, no primeiro discurso oficial na República da Irlanda, que o fracasso da Igreja Católica em lidar com os "crimes repugnantes" de abusos sexuais perpetrados por membros do clero "continua a ser uma fonte de dor e vergonha" para a comunidade católica. "Eu próprio partilho estes sentimentos", afirmou.

"Não posso deixar de reconhecer o grave escândalo causado na Irlanda pelo abuso de jovens por membros da Igreja responsáveis pela sua proteção e educação", disse o Papa na receção às autoridades, no castelo de Dublin, duas horas depois de ter chegado à República da Irlanda para a primeira visita papal em 40 anos ao país. A visita, por ocasião do Encontro Mundial de Famílias, termina amanhã.

"O fracasso das autoridades eclesiásticas - bispos, superiores religiosos, padres e outros - em lidar adequadamente com estes crimes repugnantes deu origem, justamente, ao ultraje e continua a ser uma fonte de dor e vergonha para a comunidade católica", afirmou Francisco. "Eu próprio partilho estes sentimentos", admitiu.

Os temas de abusos sexuais prometiam marcar a visita do Papa à Irlanda, um país que em 40 anos viu o número de católicos cair de 93% da população para 78%. A perda de crentes justifica-se em parte pelos escândalos que rodearam a Igreja na Irlanda, um país que em 2015 foi o primeiro a, num referendo popular, aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo (a homossexualidade foi crime até 1993 mas o atual primeiro-ministro, Leo Varadkar, é gay assumido) e que, já neste ano, também por voto popular, decidiu mudar a lei para legalizar o aborto.

Apelos à justiça

O primeiro-ministro apelou precisamente ao papa para usar a sua "posição" e influência para garantir que seja assegurada "justiça" às vítimas de abusos cometidos pelos membros da igreja "no mundo inteiro"

"As feridas estão ainda abertas e há muito a fazer para que as vítimas e os sobreviventes obtenham justiça, verdade e recuperação. Santo Padre, peço-lhe que use a sua posição e influência para que assim se cumpra aqui na Irlanda e no mundo inteiro", declarou Varadkar.

Antes da receção, o Papa foi recebido pelo presidente Michael D. Higgings, que também chamou a atenção do líder da Igreja Católica para a problemática dos abusos.

"O presidente Higgins falou a Sua Santidade do imenso sofrimento e dor causados pelos abusos sexuais de crianças perpetrados por alguns membros da Igreja Católica. Ele falou da raiva que lhe tem sido transmitida em relação ao que as pessoas acreditam ser a impunidade gozada por aqueles que tinham a responsabilidade de levar esses abusos às autoridades apropriadas e que não o fizeram", segundo um comunicado do gabinete da presidência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.