Papa ainda espera um pacto global sobre refugiados

O papa Francisco incentivou hoje os países a prosseguirem as negociações nas Nações Unidas para um pacto global sobre os Refugiados que garanta a humanidade e a proteção destas pessoas.

"Espero que os Estados envolvidos nestes processos alcancem um acordo para assegurar com responsabilidade e humanidade a assistência e a proteção àqueles que são forçados a deixar seu próprio país", disse o papa durante a oração do Angelus na Praça de São Pedro, no Vaticano.

Fê-lo recordando que quarta-feira é o Dia Mundial dos Refugiados, que coincide este ano com as negociações entre os Estados para alcançar um pacto global sobre esta questão em 2018 e sobre a imigração segura, regular e ordenada.

Uma celebração que chama "a atenção para o que vivem frequentemente, com grande ansiedade e sofrimento, os nossos irmãos que são obrigados a fugir das suas terras por causa de conflitos e perseguições", frisou o papa Francisco.

"Cada um de nós também é chamado para estar perto dos refugiados, para encontrar com eles momentos de proximidade e valorizar a sua contribuição para que possam integrar-se melhor nas comunidades que os recebem", defendeu, considerando que é "neste encontro, neste respeito e apoio recíproco" que está "a solução para muitos problemas".

Na sua conta oficial no 'Twitter', o papa lançou uma campanha da Cáritas sobre este tema, que pediu para compartilhar "com gestos concretos de solidariedade, o caminho dos migrantes e dos refugiados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.