Papa ainda espera um pacto global sobre refugiados

O papa Francisco incentivou hoje os países a prosseguirem as negociações nas Nações Unidas para um pacto global sobre os Refugiados que garanta a humanidade e a proteção destas pessoas.

"Espero que os Estados envolvidos nestes processos alcancem um acordo para assegurar com responsabilidade e humanidade a assistência e a proteção àqueles que são forçados a deixar seu próprio país", disse o papa durante a oração do Angelus na Praça de São Pedro, no Vaticano.

Fê-lo recordando que quarta-feira é o Dia Mundial dos Refugiados, que coincide este ano com as negociações entre os Estados para alcançar um pacto global sobre esta questão em 2018 e sobre a imigração segura, regular e ordenada.

Uma celebração que chama "a atenção para o que vivem frequentemente, com grande ansiedade e sofrimento, os nossos irmãos que são obrigados a fugir das suas terras por causa de conflitos e perseguições", frisou o papa Francisco.

"Cada um de nós também é chamado para estar perto dos refugiados, para encontrar com eles momentos de proximidade e valorizar a sua contribuição para que possam integrar-se melhor nas comunidades que os recebem", defendeu, considerando que é "neste encontro, neste respeito e apoio recíproco" que está "a solução para muitos problemas".

Na sua conta oficial no 'Twitter', o papa lançou uma campanha da Cáritas sobre este tema, que pediu para compartilhar "com gestos concretos de solidariedade, o caminho dos migrantes e dos refugiados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.