Papa abre a porta ao uso do preservativo para combater o Zika

Líder do Vaticano assume que entre o "demónio absoluto" que é o aborto e a contraceção, esta é o menos dos males

O Papa Francisco afirmou hoje que, no combate ao vírus Zika, pode ser justificável a utilização de métodos contracetivos, como o preservativo, naquilo que pode ser entendido como um discurso que se afasta da doutrina vigente na Igreja Católica.

Na viagem de regresso à visita ao México, Francisco reiterou a oposição da instituição que lidera ao aborto de fetos com microcefalia, doença que estará ligada à infeção pelo Zika. E acabou por dizer que o recurso a métodos contracetivos artificiais para evitar a gravidez, em situações extremas, será aceitável.

O Papa reiterou que, na sua perspetiva, o aborto é crime em qualquer circunstância - chamou mesmo à interrupção voluntária o "demónio absoluto" - e que "evitar a gravidez não é um mal absoluto" pelo que, em situações de extremo risco, a utilização de métodos contracetivos é "o menor dos males".

O aborto "é matar uma pessoa para salvar a outra. É o que faz a máfia... É o demónio absoluto", disse Francisco, citado pelo jornal britânico The Guardian, que acompanha o sumo pontífice nesta visita.

O Papa fez questão de lembrar que não é a primeira vez que a igreja católica abre a porta, em casos excecionais, à utilização de métodos de contraceção. E referiu Paulo VI que permitiu que freiras em África tomassem a pílula quando estivessem em regiões onde corressem alto risco de serem violadas.

A Organização Mundial de Saúde estima que pelo menos quatro mil bebés nasceram nos últimos meses com microcefalia, doença em que o bebé nasce com a cabeça anormalmente pequena, uma malformação que, segundo vários cientistas, estará ligada à infeção da mãe durante a gravidez pelo vírus Zika.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.