País Basco vai a votos e a maioria não quer saber de Rajoy, Sánchez e companhia...

Autonómicas preocupam mais do que indefinição política em Madrid. Longe dos tempos da ETA, maioria quer independência.

Entre as celebrações da Semana Grande de Bilbau (Aste Nagusia Bilbao) e a excitação da passagem da Vuelta, os bascos não têm tempo ou grande interesse na situação política de Espanha. Até porque estão mais preocupados com as eleições autonómicas de dia 25.

Nas ruas fala-se de Mariano Rajoy, chefe do governo espanhol em funções, de Pedro Sánchez, secretário-geral do PSOE, ou de Pablo Iglesias, líder do Podemos, como se fossem líderes de partidos de um país vizinho. "Somos do País Basco", atira o taxista Max Glembloztky à reportagem do DN, defendendo a independência como forma de sobrevivência de uma identidade própria que muito o orgulha (ver ao lado).

Na zona histórica, o Casco Viejo, são mais os turistas encantados com as igrejas, edifícios históricos e bodegas (bares) do que bascos a discutir política. "Enquanto não nos derem a independência não quero saber da política para nada", alega "um reformado sem nome", como se identifica, abrindo o jornal e mostrando as páginas da secção de Desporto. Prefere falar do Athletic e da beleza do novo San Mamés, "um dos estádio mais míticos e bonitos do mundo". Porque "esses sim dão algumas alegrias".

Mesmo sabendo que a reportagem é para Portugal, muitos preferem falar anonimamente. O tempo dos etarras já lá vai, mas a herança dessa época é pesada. E os mais velhos, que hoje gozam a reforma nos jardins à beira-rio a ver passar o tempo, ainda têm memória da longa campanha de atentados da ETA, organização à qual se atribui pelo menos 839 mortos em 40 anos.

A própria Volta a Espanha em bicicleta esteve ausente do País Basco durante anos devido ao medo de atentados. Voltou neste ano depois de cinco anos de ausência e Unai Rementeria, deputado geral de Biscaia, província do País Basco, disse no final da 12.ª etapa, a que o DN assistiu, que falou com o diretor da Vuelta, Javier Guillén, sobre "a possibilidade de receber a última etapa em 2018", justificando que o evento "é bom para a economia local".

O desinteresse político de Bilbau é reflexo do que se passa um pouco por todo o País Basco, comunidade autonómica de Espanha que conta com cerca de 2, 5 milhões de habitantes, os quais se dividem entre nacionalistas pró-independência e separatistas.

Desde as eleições de 2012 que o o voto pró-independência é maioritário, altura em que o PNV obteve 27 dos 75 assentos no Parlamento autonómico, enquanto a esquerda separatista do EH Bildu conseguiu 21. No País Basco, o PP foi apenas a terceira força política e os bascos não nutrem grande respeito por Mariano Rajoy.

Mas nas eleições de dia 25 há que ter em conta a ascensão do Podemos, partido de esquerda radical que defende a organização de um referendo sobre a autodeterminação no País Basco, como na Catalunha, e foi o mais votado na região nas últimas eleições legislativas (29% dos votos). E saber se ultrapassará o PNV ou não.

Depois há a questão de Arnaldo Otegi. Se será ou não candidato pelo Bildu, partido independentista de esquerda, uma vez que foi condenado em 2011 por pertencer ao grupo terrorista ETA e, por isso, proibido de exercer um cargo público até 2021. Otegi recorreu ao tribunal para poder ser candidato, mas viu o juiz negar o pedido em primeira instância. Mas o Bildu ainda não desistiu de o ver chegar ao Palácio Chávarri, sede do Governo Civil, a delegação do governo central espanhol em Biscaia, desde 1943.

Em Bilbau

A jornalista viajou a convite da Eurosport para acompanhar uma etapa da Vuelta

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.