Pai-de-santo do Congresso prevê "ano da besta"

Roberval Uzeda, místico que circula há anos pelos corredores de Brasília, alerta para os perigos de 2016 na política brasileira. Em 2015, acertou ao recomendar que Dilma Rousseff se protegesse do presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha

"O ano de 2016 vai ser o da besta na política brasileira", sentenciou Roberval Uzeda, ou pai Uzeda, a autoridade paranormal informal do Congresso Nacional, em Brasília. Uzeda, de 50 anos, é uma figura folclórica, levada a sério por uns e na brincadeira por outros. Uma coluna que trata dos bastidores da política do portal UOL resolveu ouvi-lo e arrancou aquela frase enigmática. Mas se o místico não especificou quem é a besta ou outros detalhes, não custa tentar adivinhar que se refere a Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados.

Em 2015, Uzeda, um pai-de--santo ou babalorixá, o nome atribuído às autoridades máximas nos terreiros onde se praticam cultos religiosos afro-brasileiros, alertara Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), para os perigos que Cunha, do Partido do Movimento da Democracia Brasileira (PMDB), então recém-eleito líder dos Deputados e mais tarde revelado principal rosto de oposição à presi- dente do Brasil e pivô do pedido de impeachment, representava.

O místico dissera na ocasião o seguinte: "O Eduardo Cunha é a besta, o trabalho dele é destituir a Dilma, ele é um pai-de-santo de mão-cheia, ele entende de canjerê [ritual religioso afro-brasileiro], basta olhar para a aura dele, se deixarem ele vai ser o presidente do Brasil."

Nesse dia, Uzeda, que costuma passear-se no Salão Verde e nos corredores da Câmara dos Deputados a entregar cartões a oferecer os seus serviços aos parlamentares, conseguiu introduzir-se no quarto andar do Palácio do Planalto, um acima daquele onde fica o gabinete de Dilma, com autorização de uma funcionária que o conhecia, para entregar uma carta à presidente a alertar para os perigos de Cunha. Passados 30 minutos foi convidado a retirar-se, revelando, porém, o conteúdo da carta a jornalistas presentes. Uma vez que os seus orixás acertaram em cheio nas previsões, outros repórteres o procuraram este ano.

Roberval Batista Uzeda, nascido em março de 1965 no Rio de Janeiro, é solteiro e identifica-se oficialmente como "escritor e crítico". Nas eleições de 2014 concorreu a deputado estadual no Rio pelo Partido Progressista (PP), da coligação governamental, mas obteve uns meros 108 votos.

A propósito das eleições de 2014, Uzeda previu acertadamente uma vitória do PT mas "no processo eleitoral mais conturbado da história do Brasil", o que veio a verificar-se com a eleição tangencial de Dilma sobre Aécio Neves, do Partido da Social-Democracia Brasileira (PSDB). Fora da política, porém, Uzeda falhou redondamente. "Se jogar com toque de bola, o Brasil vai ser campeão do mundo de futebol", disse meses antes da goleada de 7-1 que a Alemanha impôs à seleção da casa nas meias-finais do Mundial.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.