Os tentáculos da Odebrecht alastram pela América Latina

A empresa reconheceu o pagamento de subornos em dez países da região e as consequências começam a fazer-se sentir

No final de dezembro, a construtora brasileira Odebrecht assinou um acordo nos EUA em que admitia o pagamento de subornos no valor de 735 milhões de dólares em dez países latino-americanos, que se traduziu em contratos que renderam mais de 2,8 mil milhões. Com o processo ainda em segredo de justiça no Brasil, onde 77 funcionários da empresa, incluindo o presidente Marcelo Odebrecht (neto do fundador), fizeram acordos de delação premiada, os tentáculos do escândalo de corrupção alastram pela região e já ameaçam ex-presidentes.

Foi a investigação à petrolífera brasileira Petrobras, no centro da Lava-Jato, que deixou a maior construtora da América Latina em xeque - fundada nos anos 1940 empregava 128 mil pessoas e tinha lucros de 40 mil milhões de dólares. Apesar de Odebrecht ter sido detido em junho de 2015, foi a prisão da sua secretária, Maria Lúcia Tavares, há um ano, que permitiu descobrir que a empresa tinha um "departamento de subornos". Através do Setor de Operações Estruturadas, terão sido pagos subornos a políticos da região - normalmente dinheiro para as campanhas eleitorais, em troca de contratos públicos com as faturas inflacionadas. Os países nomeados no processo nos EUA - além dos dez na América Latina, houve pagamentos em Angola e Moçambique - estão a investigar o caso.

Estas investigações chegam a ex-presidentes. No Peru, por exemplo, a justiça emitiu um mandato de captura internacional contra Alejandro Toledo, no poder de 2001 a 2006, que é suspeito de ter recebido 20 milhões de dólares. E o atual presidente, Pedro Pablo Kuczynski, que foi primeiro-ministro e ministro das Finanças de Toledo, nega qualquer ligação ao caso. Na Colômbia, é o presidente Juan Manuel Santos que foi acusado de receber dinheiro para a campanha da sua reeleição.

No imediato, as investigações do Banco Nacional de Desenvolvimento do Brasil, através do qual se processava o financiamento dos projetos em toda a América Latina, resultaram na suspensão de 16 obras, algumas em países onde nem há relato do pagamento de subornos, como Cuba ou Honduras. E países como Equador, Panamá ou República Dominicana (onde há denúncias desses pagamentos) proibiram a construtora - que já demitiu mais de metade dos funcionários - de licitar em novas obras.

Com o acordo nos EUA, a empresa aceitou pagar uma multa de 3,5 mil milhões de dólares a este país, ao Brasil e à Suíça, tendo já aceitado em processos distintos pagar também ao Panamá e à República Dominicana. No Brasil, as revelações da "delação do fim do mundo" são esperadas a qualquer momento - só falta levantar o segredo de justiça.

Argentina

A construtora pagou subornos de 35 milhões de dólares entre 2007 e 2014, durante a presidência de Cristina Kirchner, tendo ganho 278 milhões. O atual diretor da agência de informação, Gustavo Arribas, amigo do presidente Maurício Macri, é um dos que estão a ser investigados.

Brasil

Foi a investigação ao escândalo da Lava-Jato, que continua a abalar o país, que destapou a existência de um esquema concertado de subornos na construtora brasileira. A Odebrecht pagou 349 milhões de dólares em subornos e ganhou mais de 1,9 mil milhões.

Colômbia

O presidente Juan Manuel Santos negou ter recebido um milhão de dólares da construtora na campanha de 2014. Um ex-senador e um antigo vice-ministro de Álvaro Uribe estão presos por contratos ligados à construção de autoestradas. No total, a Odebrecht terá pago 11 milhões de dólares em subornos, ganhando 50 milhões.

Equador

A Odebrecht pagou 33,5 milhões de dólares entre 2007 e 2016 a "funcionários do governo", tendo ganho 116 milhões com esses subornos.

Guatemala

A ex-vice-presidente Roxana Baldetti (já detida por fuga ao fisco) é um dos nomes que estão a ser investigados. A construtora brasileira admitiu ter pago 18 milhões de dólares entre 2013 e 2015, ganhando em troca 38 milhões.

México

A construtora admitiu ter pago subornos no valor de 10,5 milhões de dólares entre 2010 e 2014, beneficiando de um retorno de 39 milhões. Um dos contratos investigados é o do novo aeroporto da capital.

Panamá

Os dois sócios da Mossack Fonseca (no centro do escândalo dos Papéis do Panamá) foram detidos e há outras 17 pessoas acusadas - incluindo o irmão e o filho do ex-presidente Ricardo Martinelli (investigado por outro caso). A Odebrecht vai devolver 59 milhões de dólares - o valor dos subornos pagos entre 2010 e 2014 que garantiram um retorno de 175 milhões.

Peru

Já foi emitido um mandado de captura internacional contra Alejandro Toledo, presidente de 2001 a 2006, que é acusado de receber 20 milhões de dólares da Odebrecht e estaria ontem a caminho de Israel. O caso pode manchar o atual presidente, Pedro Pablo Kuczynski, seu ex-primeiro-ministro e titular das Finanças - a ser investigado por uma lei que beneficiou as construtoras. Já Ollanta Humala (2006-2011) é suspeito de receber três milhões de dólares para a campanha. A Odebrecht admitiu ter pago 29 milhões entre 2005 e 2014, ganhando 116 milhões.

República Dominicana

Ao longo de oito anos, a Odebrecht vai pagar 184 milhões de dólares em compensações pelos subornos que pagou - 92 milhões de dólares que renderam 163 milhões. O dinheiro terá sido pago ao empresário Ángel Rondón, que é próximo de vários políticos, incluindo do presidente Danilo Medina.

Venezuela

Depois do Brasil, é o país que recebeu mais subornos: 98 milhões de dólares a membros do governo e intermediários entre 2006 e 2015 (não se conhece o valor do retorno). A Assembleia Nacional (onde a oposição tem maioria) quer investigar caso.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.