"Os porcos estão inquietos?". Feministas respondem a Deneuve

Carta da atriz e de outras 99 personalidades está a dar que falar em França

Ativistas franceses de direitos das mulheres criticaram uma carta aberta assinada pela atriz Catherine Deneuve e outras personalidades, na qual afirmam que os homens estão a ser injustamente acusados de má conduta sexual.

Num texto publicado hoje no site Franceinfotv, a feminista Caroline De Haas e mais de 30 ativistas criticaram fortemente a carta.

As ativistas afirmam que Catherine Deneuve e as outras signatárias da carta estão a usar a exposição dos meios de comunicação para que a violência sexual pareça "normal".

Catherine Deneuve está entre cerca de 100 artistas, estudiosas e outras personalidades que assinaram uma carta aberta, publicada na terça-feira, dizendo que o "protesto legítimo contra a violência sexual" decorrente do escândalo do produtor de cinema Harvey Weinstein, nos Estados Unidos, foi longe demais e ameaça as liberdades sexuais conquistadas.

Na carta, Catherine Deneuve e outras francesas proeminentes dizem que os homens estão a ser injustamente alvo de acusações de má conduta sexual e devem ser livres para "importunar" as mulheres.

A França é o lar de feministas famosas e a carta assinada por Catherine Deneuve atraiu muitas críticas.

"Parecem aquele tio chato nos jantares de família" que não percebem que o mundo está a mudar, afirmaram feministas francesas, lideradas pela ativista Caroline De Haas, juntamente com outras 30 mulheres que publicaram o seu texto de resposta no site de uma televisão francesa.

"Com aquele texto estão a tentar reconstruir o muro de silêncio que começámos a destruir", dizem as mulheres.

"Quando a igualdade avança um milímetro, as almas bondosas alertam-nos de imediato para o facto de que arriscamos todos cair em excesso", referem, alertando ainda que, em França, acontecem "centenas" de casos de violação e assédio sexual.

Questionam ainda: "Os porcos e os seus aliados estão inquietos?".

As cartas refletem os sentimentos mistos que se vive na França sobre as acusações generalizadas de má conduta sexual sistemática por homens poderosos que decorreram em vários países nos últimos meses.

No entanto, muitas pessoas concordam com as preocupações de Deneuve sobre um novo "puritanismo", que vai contra as tradições francesas de sedução.


Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.