Os candidatos a presidente que andam à procura de vices no Brasil

Ciro Gomes formaliza nesta sexta-feira a sua entrada na corrida ao Planalto em convenção do PDT. Seguem-se Bolsonaro, Meirelles, Marina, Alckmin e Álvaro Dias. Em comum, a ausência de número dois.

Ciro Gomes, Jair Bolsonaro, Henrique Meirelles, Marina Silva, Geraldo Alckmin e Álvaro Dias - à exceção do escolhido do PT, ainda dependente da situação jurídico-eleitoral de Lula da Silva, toda a gente conhece o nome dos principais candidatos à presidência do Brasil. E o nome dos vice-presidentes? No dia em que começam as convenções partidárias para formalização das candidaturas ao Palácio do Planalto ainda não se sabe quem serão os concorrentes ao lugar para que Michel Temer foi eleito em 2014. Um dado inédito na história eleitoral do país.

Em outubro de 2013, já se sabia que Dilma Rousseff (PT) e Temer (MDB) se apresentariam juntos às eleições do ano seguinte. Em abril de 2014, Eduardo Campos (PSB), que viria a morrer em desastre de avião durante a campanha, anunciou Marina Silva (Rede) como companheira de lista. Um mês depois, Aécio Neves escolheu Aloysio Nunes, ambos do PSDB, para vice. Em meados de julho de 2018, a menos de três meses da eleição, ainda não há casamentos.

Hoje o PDT, partido de centro-esquerda que abriga Ciro Gomes, vai anunciá-lo como candidato. No domingo é a vez de Jair Bolsonaro ser apresentado como escolha do direitista PSL. No dia 3 de agosto, o MDB, partido no poder, divulga o nome de Henrique Meirelles, e no dia 4 a convenção do ambientalista Rede aclama Marina Silva, a do PSDB, de centro-direita, apresenta Geraldo Alckmin e a do Podemos, também de centro-direita, revela Álvaro Dias. Lula, ou Fernando Haddad, plano B do PT, esperam a melhor oportunidade para o anúncio. Apenas o PSOL, de extrema-esquerda, anuncia amanhã a lista completa, com o líder do Movimento dos Trabalhadores sem Teto Guilherme Boulos e a chefe indígena Sonia Guajajara como candidatos a presidente e vice, respetivamente.

À exceção do PSOL, tudo o que a imprensa e o eleitorado busca saber das convenções dos outros partidos elas não sabem ainda responder: quem serão os vices?

Ciro, o primeiro a entrar em cena, busca a todo o custo ter Josué Gomes, filho de José Alencar, o eterno vice dos governos de Lula, a seu lado. Recém-filiado ao PR, no entanto, o empresário de Minas Gerais é cobiçado quer pelo próprio Lula quer por Bolsonaro, uma vez que o PR ainda equaciona coligação com o partido do capitão do Exército. "Tudo boatos, como militante recente do PR, resta-me ouvir e dialogar", diz o desejado Josué. O campo de Ciro tem como alternativa Benjamin Steinbruch, industrial que poderia atrair o empresariado a uma candidatura vista com desconfiança pelo mercado.

Por sua vez, Bolsonaro, além de Josué, negoceia ainda com Magno Malta, senador evangélico do PR, mas pode ter de contentar-se em elevar a vice o seu nome para a área da defesa, o general Augusto Heleno, comandante das tropas brasileiras no Haiti.

No MDB, como o nome de Meirelles para candidato à presidência gerou inesperado debate, a nomeação de um vice está ainda mais atrasada. Por seu lado, Marina, que sonhou em atrair o antigo presidente do Supremo Joaquim Barbosa para a sua lista, equaciona agora Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, mais popular clube do Brasil. "Ainda vai passar muita água por baixo da ponte", advertiu, no entanto, Mello. Quem, entretanto, Geraldo Alckmin quer mesmo para seu vice é o presidenciável Álvaro Dias. Mas Dias, que já foi do PSDB de Alckmin, resiste por sentir que pode correr a solo: "Fora de questão", disse em maio ao DN o candidato do Podemos.

Para a indefinição na composição das listas contribuem, de acordo com cientistas políticos, a crise de credibilidade de PT e PSDB, que elegeram os presidentes brasileiros nos últimos 24 anos, e do atual governo, que de tão fraco nem conseguiu dividir as forças entre situação e oposição. "O PT tem o seu líder nada menos do que preso, o PSDB e o MDB viram as suas cúpulas igualmente muito castigadas e os pequenos partidos, alguns também muito visados na Lava-Jato, hesitam entre que polo escolher, o que afeta a dinâmica normal de um período pré-eleitoral", afirmou ao jornal O Globo Fábio Wanderley, da UFMG.

"Ainda há o caso do Lula, que não deve ser candidato mas está na narrativa do PT, o que causa indefinição muito grande", acrescenta Carlos Melo, do Insper, ao jornal O Estado de S. Paulo.

Por isso, a eleição de 2018 só tem paralelo na de 1989, que elegeu Collor de Mello, após número recorde de candidaturas. Na ocasião, o vice-presidente, Itamar Franco, acabaria por subir ao Planalto, por impeachment de Collor, o que atesta a importância do cargo.

FORMALIZAÇÃO DAS CANDIDATURAS ÀS PRESIDENCIAIS DE 7 DE OUTUBRO

Sexta-feira dia 20: Ciro Gomes (PDT)
Sábado dia 21: Guilherme Boulos e Sonia Guajajara (PSOL)
Domingo dia 22: Jair Bolsonaro (PSL)
3 de agosto: Henrique Meirelles (PMDB)
4 de agosto: Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), Álvaro Dias (Podemos)
A designar: Lula da Silva ou Fernando Haddad (PT)

Em São Paulo

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.