ETA pede desculpa às vítimas. "Causámos muita dor e danos irreparáveis"

A organização separatista basca reconhece "responsabilidade direta" no "sofrimento excessivo" da sociedade basca

A organização separatista basca ETA reconheceu esta sexta-feira os "danos causados" e a "responsabilidade direta" no "sofrimento excessivo" da sociedade basca durante décadas, pelo qual pediu "sinceras desculpas".

"Causámos muita dor e danos irreparáveis, queremos mostrar o nosso respeito aos mortos, feridos e vítimas das ações da ETA. Lamentamos muito", declarou a organização, num comunicado divulgado pelos jornais espanhóis Gara e Berria.

A ETA reconheceu que tem "responsabilidade direta" no sofrimento excessivo de décadas da sociedade basca, com "mortos, feridos, torturados, sequestrados ou forçados a fugir para o exterior", algo que nunca devia ter "acontecido durante tanto tempo".

A organização separatista basca ETA vai anunciar a dissolução a 5 de maio, durante uma cerimónia marcada para Bayonne, no País Basco francês, disseram à agência noticiosa espanhola EFE fontes conhecedoras do processo.

Mariano Rajoy fala em vitória da democracia

O o governo espanhol fez um comunicado onde considera que o pedido de desculpa da ETA é uma consequência do estado de direito. "Esta é apenas mais uma consequência da força do Estado de direito que derrotou a ETA com as armas da democracia", em comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.