Órban sobre fecho de fronteiras: "O povo europeu está connosco"

Presidente do PPE, Joseph Daul, diz que Europa não pode "aceitar toda a miséria do mundo".

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, mostrou-se hoje irredutível na sua ideia de fechar as fronteiras e disse estar convicto de que: "O povo europeu está connosco". À chegada ao congresso do Partido Popular Europeu (PPE), que decorre hoje e amanhã em Madrid, Órban lembrou que "a Europa e o espaço Schengen têm regras".

Questionado pelos jornalistas sobre "O objetivo não é apenas o de evitar a invasão da fronteira húngara por refugiados, mas fazê-los voltar para trás. De outro modo o espaço Schengen vai entrar em colapso".

Um dos temas do congresso é precisamente os refugiados e, questionado sobre os jornalistas se não o incomoda o facto de ser odiado pela Europa pelos seus atos relativamente a esta crise, Órban insistiu que a "maioria dos europeus" concorda com um controlo de acolhimento dos refugiados.

Logo pela manhã o presidente do PPE, Joseph Daul, lembrou que "a crise financeira foi muito dura, mas esta crise de migrações é muito mais difícil porque o que estamos a falar é de mulheres, homens e crianças que foram forçados a abandonar os seus países e são as suas vidas que estão em jogo".

Daul disse uma frase que está a ser entendida como uma posição do PPE para que exista um acolhimento mais controlado da receção de refugiados: "Para que Schengen possa funcionar não podemos aceitar toda a miséria do mundo".

Em Madrid

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.