Oposição e ONG denunciam milhares de irregularidades nas eleições russas

Alguns eleitores foram levados de autocarro pela polícia até assembleias de voto, enquanto outros receberam cupões de desconto por terem ido votar.

A oposição russa e uma organização não-governamental (ONG) denunciaram hoje milhares irregularidades durante as eleições presidenciais na Rússia, visando sobretudo aumentar a participação no escrutínio, que deverá dar a Vladimir Putin o quarto mandato.

A ONG Golos, especializada na vigilância das eleições e que tem no seu 'site' um "mapa das fraudes", deu conta de 1.839 irregularidades até às 11:00 (mesma hora em Lisboa), como votações múltiplas ou entraves ao trabalho dos observadores.

A Golos disse ter recebido informações sobre empregadores e universidades que obrigaram trabalhadores e estudantes a votarem no seu local de trabalho ou estudo, em vez do domicílio, para "controlar a sua participação no escrutínio".

O movimento do principal opositor do Kremlin, Alexei Navalny, que afirma ter destacado mais de 33.000 observadores para as assembleias de voto, também divulgou centenas de casos de fraude, principalmente em Moscovo e na região da capital, em São Petersburgo e em Basquíria.

Navalny divulgou na rede social 'Twitter' um vídeo que disse mostrar uma urna cheia de votos falsos numa assembleia de voto no extremo-oriente do país, caso que a Comissão Eleitoral prometeu investigar.

Alguns observadores do seu movimento denunciaram impedimentos ao seu trabalho.

Militantes da oposição também referiram que alguns eleitores foram levados de autocarro pela polícia até assembleias de voto, enquanto outros receberam cupões de desconto por terem ido votar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.