Oposição a Maduro candidata ao Prémio Sakharov

São também finalistas à distinção do Parlamento Europeu a guatemalteca Lolita Chávez e o sueco-eritreu Dawit Isaak

A oposição democrática na Venezuela, uma defensora dos direitos humanos guatemalteca e um jornalista sueco-eritreu são os finalistas do Prémio Sakharov, anunciou ontem o Parlamento Europeu.

Segundo a organização não-governamental Foro Penal Venezolano contam-se 439 presos políticos (90 em prisão domiciliária) naquele país da América do Sul. Estes, representados pelos ativistas Leopoldo López, Antonio Ledezma, Daniel Ceballos, Yon Goicoechea, Lorent Saleh, Alfredo Ramos e Andrea González, bem como o presidente da Assembleia Nacional, Julio Borges, encarnam a oposição democrática na Venezuela ao regime de Nicolás Maduro. "É uma oportunidade para provar que estamos comprometidos com a democracia e os direitos humanos na América Latina", defendeu a eurodeputada espanhola Beatriz Becerra sobre a atribuição do Prémio àquele grupo. Também da América Latina, mas na Guatemala, é originária Aura Lolita Chavez Ixcaquic. Defensora dos direitos humanos e do ambiente, tem recebido ameaças de morte pela sua ação no Consejo de Pueblos Ki"che contra a depredação das florestas levada a cabo pelas multinacionais mineradoras e hidroelétricas. "Até me chamam terrorista", disse numa entrevista ao espanhol Público. Em 2015, segundo a Global Witness, uma média de três ativistas ambientais foram mortos por semana.

Dawit Isaak foi preso em 2001 numa vaga de repressão política na Eritreia. De dupla nacionalidade (sueca e eritreia), este jornalista e escritor defendia reformas democráticas naquele país do Corno de África. Ao fim de 16 anos, Isaak não chegou a ser julgado, nem sequer recebeu qualquer acusação. Não é visto desde 2005 e já foi finalista do Prémio em 2009.

O presidente do Parlamento Europeu vai reunir-se com os líderes dos grupos políticos, no dia 26, para decidir quem é o laureado do 30.º Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, o qual será entregue em Estrasburgo no dia 13 de dezembro.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.