Oposição a Maduro candidata ao Prémio Sakharov

São também finalistas à distinção do Parlamento Europeu a guatemalteca Lolita Chávez e o sueco-eritreu Dawit Isaak

A oposição democrática na Venezuela, uma defensora dos direitos humanos guatemalteca e um jornalista sueco-eritreu são os finalistas do Prémio Sakharov, anunciou ontem o Parlamento Europeu.

Segundo a organização não-governamental Foro Penal Venezolano contam-se 439 presos políticos (90 em prisão domiciliária) naquele país da América do Sul. Estes, representados pelos ativistas Leopoldo López, Antonio Ledezma, Daniel Ceballos, Yon Goicoechea, Lorent Saleh, Alfredo Ramos e Andrea González, bem como o presidente da Assembleia Nacional, Julio Borges, encarnam a oposição democrática na Venezuela ao regime de Nicolás Maduro. "É uma oportunidade para provar que estamos comprometidos com a democracia e os direitos humanos na América Latina", defendeu a eurodeputada espanhola Beatriz Becerra sobre a atribuição do Prémio àquele grupo. Também da América Latina, mas na Guatemala, é originária Aura Lolita Chavez Ixcaquic. Defensora dos direitos humanos e do ambiente, tem recebido ameaças de morte pela sua ação no Consejo de Pueblos Ki"che contra a depredação das florestas levada a cabo pelas multinacionais mineradoras e hidroelétricas. "Até me chamam terrorista", disse numa entrevista ao espanhol Público. Em 2015, segundo a Global Witness, uma média de três ativistas ambientais foram mortos por semana.

Dawit Isaak foi preso em 2001 numa vaga de repressão política na Eritreia. De dupla nacionalidade (sueca e eritreia), este jornalista e escritor defendia reformas democráticas naquele país do Corno de África. Ao fim de 16 anos, Isaak não chegou a ser julgado, nem sequer recebeu qualquer acusação. Não é visto desde 2005 e já foi finalista do Prémio em 2009.

O presidente do Parlamento Europeu vai reunir-se com os líderes dos grupos políticos, no dia 26, para decidir quem é o laureado do 30.º Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, o qual será entregue em Estrasburgo no dia 13 de dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.