Opioides mortais e cocaína a crescer preocupam Nações Unidas

Cerca de 35 milhões de pessoas com problemas de abuso de droga precisam de tratamento.

Os medicamentos opioides, que matam mais do que qualquer outra droga, e a cocaína, cuja produção atinge recordes, são as situações mais preocupantes no mundo das drogas, alertou esta terça-feira as Nações Unidas.

No relatório anual sobre drogas da agência para as drogas e criminalidade, aponta-se que os opioides são responsáveis por 76% das mortes em que estiveram ligadas a drogas, com medicamentos como o Fentanyl e Tramadol, "vitais no tratamento da dor" a serem fabricados e usados ilegalmente.

Em 2016, foram apreendidas 87 toneladas de opioides em todo o mundo e praticamente a mesma quantidade de heroína. A produção de ópio aumentou 65% de 2016 para 2017, atingindo-se uma estimativa de 10.500 toneladas, a mais alta de sempre desde que começou a ser medida, no início do século XXI.

Só no Afeganistão, a produção de papoila de ópio cresceu para 9.000 toneladas em 2017, um aumento de 87% em relação ao ano anterior

Na América do Norte, o Fentanyl é usado como base para misturar com heroína ou outras drogas.

Em África, o medicamento Tramadol é contrabandeado para vários países e daí chega ao Médio Oriente e ao norte do continente. Como não se trata de uma substância controlada internacionalmente, os consumidores encaram-na como uma espécie de impulso de energia, apesar de a droga levar a uma dependência física.

"Os mercados da droga estão em expansão, com a produção de cocaína e heroína a atingirem recordes e apresentando múltiplos desafios", afirmou o diretor executivo da agência, Yury Fedotov.

No que toca a cocaína, a produção em 2016 estimou-se em 1.410 toneladas, um aumento de 25% em relação a 2015 e uma inversão da tendência de queda registada entre 2005 e 2013.

No relatório aponta-se a canábis como a droga mais consumida em 2016, contando-se 192 milhões de pessoas que a consumiram pelo menos uma vez, um aumento de 16% em relação ao que se passava nos dez anos anteriores

Destes consumidores, 13,8 milhões tinham entre 15 e 16 anos, indica a ONU, que salienta a vulnerabilidade desta faixa etária aos efeitos das drogas e à escalada de consumo.

Em todo o mundo, 275 milhões de pessoas consumiram drogas em 2016, um número que se mantém estável através dos anos e que abrange cerca de 5,6% da população global com idades entre os 15 e os 64 anos.

Entre estes utilizadores, há 35 milhões de pessoas com problemas de abuso de droga que precisam de tratamento.

O uso de drogas resultou em 450.000 mortes em 2015, mais de 167 mil por 'overdose' e o restante com doenças associadas ao consumo de drogas, incluindo hepatite e HIV pelo uso de seringas contaminadas.

De 2000 a 2015, as mortes por consumo de droga aumentaram 60%, registou a ONU.

A ONU salienta ainda que apesar de serem menos do que os homens, as mulheres a consumir droga enfrentam riscos especiais, notando-se padrões em que o consumo começa numa idade mais tardia mas a escalada para a dependência total é mais rápida.

O número de mulheres em tratamento por consumo de droga é apenas um quinto do total e os problemas com drogas costumam estar associados a outras perturbações, como o stress pós-traumático ou experiências de abuso sexual infantil, negligência ou outras adversidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.