Operação antiterrorista: Polícia belga deteve seis pessoas

Porta-voz da Procuradoria federal referiu que esta sexta-feira será decidido se os suspeitos serão acusados

A polícia belga deteve hoje à noite seis pessoas em Bruxelas no quadro do inquérito aos atentados que causaram pelo menos 31 mortos na terça-feira na capital do país, indicou o Procuradoria federal à AFP. Três dos detidos foram interpelados "diante da porta da Procuradoria federal", em pleno centro de Bruxelas, ao lado do Palácio de Justiça, avançou um porta-voz da Procuradoria, Eric Van Der Sypt.

Duas outras pessoas foram interpeladas no território da capital belga e uma outra detida na comuna (divisão administrativa) de Jette, na periferia da capital, segundo o porta-voz, que não detalhou a sua identidade.

"Amanhã (sexta-feira), vai ser decidido se estas pessoas vão ser acusadas", acrescentou.

Pelo menos, dois homens tinham sido detetados pela polícia nas imagens de videovigilância do aeroporto e do metro na companhia dos três atacantes que se fizeram explodir. Estas pessoas estão a ser objeto de uma procura ativa.

Houve também investigações na comuna de Schaerbeek, de onde os atacantes saíram, na manhã de terça-feira, de táxi para o aeroporto, com três malas cheias de explosivos. Mas não ocorreu qualquer detenção.

Ao início da noite de hoje, decorreu ainda uma operação policial em Bruxelas encerrou vários quarteirões na zona da Praça Ambiorix, situada a cerca de dois quarteirões acima da sede da Comissão Europeia, constatou a Lusa no local.

Fontes no local fizeram circular a informação de que estava uma equipa de análise e desativação de explosivos naquela zona. Cerca das 22:00 locais (21:00 horas me Lisboa) o perímetro de segurança foi reduzido.

Os agentes policiais questionaram os populares presentes se eram moradores da zona e, perante uma prova de identificação, as pessoas puderam regressar às respetivas habitações.

Quando o perímetro de segurança foi reduzido, a carrinha da equipa de destruição de explosivos estacionou em frente a um prédio e foram notadas outras movimentações de operacionais vestidos integralmente de branco.

(Notícia atualizada às 28:28)

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.