Jornal de Angola classifica decisão da justiça portuguesa como "sensata"

Editorial do jornal diz que entre os países da CPLP há um "acordo judiciário que Portugal, no caso de Angola, fez questão de ignorar, sob pretexto de não confiar na justiça angolana"

O Jornal de Angola escreve hoje, em editorial, que a Justiça portuguesa tomou uma "decisão sensata", ao transferir para Angola o processo judicial que envolve o ex-vice-Presidente da República, Manuel Vicente.

No editorial, o jornal detido pelo Estado angolano reage à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, de quinta-feira, que considerou que a aplicação da lei da amnistia em Angola aos factos imputados a Manuel Vicente, no processo da Operação Fizz, "não põe em causa a boa administração da Justiça".

"As relações entre Estados desenvolvem-se com base no respeito mútuo e na confiança. Não há relação justa sem estes dois pilares da ética política. Portugal, reiteradamente, ignorou os pedidos de Angola de enviar o caso para ser julgado nas instituições nacionais, contrariando compromissos assumidos bilateralmente e em instituições como a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)", recorda o editorial do Jornal de Angola.

É bom lembrar que Angola sempre e apenas solicitou a transferência do processo para que o cidadão angolano Manuel Vicente fosse julgado no seu país. Não era um pedido para arquivar o processo ou para que o cidadão fosse absolvido", lê-se no editorial do Jornal de Angola

Sob o título "Uma decisão sensata", o editorial recorda que entre os países que falam português, "existe um acordo judiciário que Portugal, no caso de Angola, fez questão de ignorar, sob pretexto de não confiar na Justiça angolana".

"Como disse o Presidente de Angola, João Lourenço, em janeiro deste ano, durante uma conferência de imprensa, trata-se de uma ofensa, que, bem vista, não encontra paralelo nas relações entre os dois países. Como incrementar a cooperação, estabelecer parcerias estratégicas com um Estado no qual não confiamos? É bom lembrar que Angola sempre e apenas solicitou a transferência do processo para que o cidadão angolano Manuel Vicente fosse julgado no seu país. Não era um pedido para arquivar o processo ou para que o cidadão fosse absolvido", lê-se no mesmo texto.

O editorial acrescenta que "não havia necessidade de se perder tanto tempo e, por arrasto, perigar as relações entre dois países, cujos cidadãos têm interesses num lado e no outro".

o ministro da Comunicação Social angolano, João Melo, considerou que terminou a "politização do caso feita pela PGR portuguesa"

"O número de angolanos em Portugal e o de portugueses em Angola, aliado aos interesses envolvidos, merece, de facto, um outro tratamento. Como referiu, ontem [quinta-feira], o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, a transferência do processo faz desaparecer o pequeno ponto, menor, que existia a ser invocado periodicamente entre Portugal e Angola", aponta ainda o editorial do Jornal de Angola.

Na quinta-feira, pouco depois de conhecida a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, o ministro da Comunicação Social angolano, João Melo, considerou que terminou a "politização do caso feita pela PGR portuguesa".

"O processo que envolve o antigo vice-presidente angolano Manuel Vicente e a Justiça lusa será remetido para Luanda, como requerido pelos seus advogados. O Estado angolano apoiou essa posição. O Tribunal da Relação de Lisboa pôs fim à politização do caso feita pela PGR portuguesa", escreveu o ministro da Comunicação Social.

O Tribunal na Relação de Lisboa considerou na quinta-feira que a aplicação da lei da amnistia aos factos imputados ao ex-vice-presidente angolano, Manuel Vicente, no processo Operação Fizz, "não põe em causa a boa administração da Justiça".

Segundo a decisão, a que a agência Lusa teve acesso, a potencial aplicação pelas autoridades judiciárias de Angola da lei da amnistia aos factos imputados ao antigo governante "faria parte do funcionamento normal de um mecanismo do sistema jurídico angolano e não põe em causa a boa administração da justiça".

O Tribunal da Relação de Lisboa deu razão ao recurso da defesa determinando que o processo contra Manuel Vicente prossiga em Angola, num caso em que o Ministério Público português lhe imputou crimes de corrupção ativa, branqueamento de capitais e falsificação de documento

Além do argumento de que a boa administração da Justiça "não se identifica sempre e necessariamente com a condenação e o cumprimento da pena", os juízes Cláudio Ximenes e Manuel Almeida Cabral entendem, por outro lado, que, caso haja condenação, também a reinserção social justifica a continuação do processo contra o ex-presidente da petrolífera Sonangol em Angola.

O Tribunal da Relação de Lisboa deu razão ao recurso da defesa determinando que o processo contra Manuel Vicente prossiga em Angola, num caso em que o Ministério Público português lhe imputou crimes de corrupção ativa, branqueamento de capitais e falsificação de documento.

Na decisão, os juízes tiveram em conta a resposta do procurador-geral da República de Angola de que não haveria possibilidade de cumprir uma eventual carta rogatória para audição e constituição de arguido e que Manuel Vicente, depois de cessar funções como vice-presidente, "só poderia ser julgado por crimes estranhos ao exercício das suas funções decorridos cinco anos sobre a data do termo do mandato".

Contactada pela Lusa, a Procuradoria-Geral da República disse que "a referida decisão não é passível de recurso".

Em janeiro, o Presidente angolano, João Lourenço, afirmou que as relações entre Portugal e Angola iriam "depender muito" da resolução do processo de Manuel Vicente e classificou a atitude da Justiça portuguesa até então como "uma ofensa" para o seu país.

Para a defesa do ex-governante angolano, as questões relacionadas com Manuel Vicente deviam ser analisadas pela justiça angolana, apontando mecanismos previstos no Direito Internacional e nos Direitos internos em matéria de cooperação judiciária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.