Onze príncipes sauditas detidos por protestos por terem de pagar água e luz

O governo saudita está a tentar fazer reformas económicas profundas

Onze príncipes sauditas foram detidos por protestos contra a austeridade num palácio real em Riade, informaram as autoridades sauditas, segundo a Reuters. O motivo do protesto? O governo decidiu deixar de pagar as contas de água e eletricidade aos príncipes.

O governo saudita está a tentar fazer reformas económicas profundas: no início deste ano lançou pela primeira vez um imposto sobre o valor acrescentado (o IVA), tentado obter outras fontes de receita para sustentar um orçamento que é alimentado sobretudo pela venda de petróleo. Está também a tentar cortar nos privilégios concedidos aos membros da realeza.

Os cortes visam compensar a queda nas receitas da venda do petróleo, que causaram um défice estimado de 52 mil milhões de dólares em 2018.

O site Sabq.org disse que os príncipes se concentraram num palácio histórico, Qasr a-Hokm, na quinta-feira, a pedir a suspensão do decreto que corta os pagamentos de eletricidade e água. Pediam também uma compensação pela execução de um primo, em 2016, o príncipe Turki bin Saud.

"Apesar de ser informado que as suas exigências não estavam dentro da lei, os onze príncipes recusaram-se a abandonar a área, perturbando a paz e ordem públicas", diz um comunicado do procurador, citado na Reuters.

A ascensão do príncipe herdeiro saudita, Mohammad bin Salman, de 32 anos, e do seu estilo reformista, por vezes agressivo, tem aberto muitas tensões dentro da família real alargada. Em novembro, dezenas de príncipes e milionários foram detidos no Ritz-Carlton.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.