ONU recebeu 40% das armas das FARC

ONU recebeu menos 20% de armas do que era esperado

A Missão da ONU na Colômbia confirmou na quarta-feira que recebeu 40% das armas pessoais das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), menos 20% do que era esperado segundo o cronograma acordado com o Governo.

Ao terminar o segundo dia da segunda fase do "processo de abandono das armas, a Missão tem na sua posse aproximadamente 40% das cerca de 7.000 armas individuais registadas, monitorizadas e verificadas", indica um comunicado da Missão da ONU.

No entanto, o organismo explicou que espera que nos próximos dias o processo de deposição de armas "continue a desenvolver-se para dar cumprimento ao acordado".

As FARC já tinham entregado 30% das armas e na terça-feira iniciaram a segunda fase, em que devem entregar outros 30%, de modo a que os restantes 40% possam ser entregues até 20 de junho.

Fontes próximas do processo de paz explicaram à agência Efe que a segunda fase de entrega de armas vai continuar, de modo a atingir os 60% nos próximos dias.

Espera-se que a 20 de junho a totalidade das armas pessoais das FARC esteja nas mãos da ONU, restando apenas entregar o material de guerra escondido em mais de 900 depósitos.

Também na quarta-feira o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, destacou o sucesso do acordo de paz com as FARC, afirmando que permitiu encerrar a "fábrica de vítimas" que representou o conflito de mais de cinco décadas.

"Posso dizer-vos que me sinto feliz porque conseguimos, com um acordo realista e sério com o país, encerrar para sempre essa fábrica de vítimas que foi o conflito com as FARC", declarou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.