ONU recebeu 40% das armas das FARC

ONU recebeu menos 20% de armas do que era esperado

A Missão da ONU na Colômbia confirmou na quarta-feira que recebeu 40% das armas pessoais das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), menos 20% do que era esperado segundo o cronograma acordado com o Governo.

Ao terminar o segundo dia da segunda fase do "processo de abandono das armas, a Missão tem na sua posse aproximadamente 40% das cerca de 7.000 armas individuais registadas, monitorizadas e verificadas", indica um comunicado da Missão da ONU.

No entanto, o organismo explicou que espera que nos próximos dias o processo de deposição de armas "continue a desenvolver-se para dar cumprimento ao acordado".

As FARC já tinham entregado 30% das armas e na terça-feira iniciaram a segunda fase, em que devem entregar outros 30%, de modo a que os restantes 40% possam ser entregues até 20 de junho.

Fontes próximas do processo de paz explicaram à agência Efe que a segunda fase de entrega de armas vai continuar, de modo a atingir os 60% nos próximos dias.

Espera-se que a 20 de junho a totalidade das armas pessoais das FARC esteja nas mãos da ONU, restando apenas entregar o material de guerra escondido em mais de 900 depósitos.

Também na quarta-feira o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, destacou o sucesso do acordo de paz com as FARC, afirmando que permitiu encerrar a "fábrica de vítimas" que representou o conflito de mais de cinco décadas.

"Posso dizer-vos que me sinto feliz porque conseguimos, com um acordo realista e sério com o país, encerrar para sempre essa fábrica de vítimas que foi o conflito com as FARC", declarou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.