ONU recebeu 40% das armas das FARC

ONU recebeu menos 20% de armas do que era esperado

A Missão da ONU na Colômbia confirmou na quarta-feira que recebeu 40% das armas pessoais das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), menos 20% do que era esperado segundo o cronograma acordado com o Governo.

Ao terminar o segundo dia da segunda fase do "processo de abandono das armas, a Missão tem na sua posse aproximadamente 40% das cerca de 7.000 armas individuais registadas, monitorizadas e verificadas", indica um comunicado da Missão da ONU.

No entanto, o organismo explicou que espera que nos próximos dias o processo de deposição de armas "continue a desenvolver-se para dar cumprimento ao acordado".

As FARC já tinham entregado 30% das armas e na terça-feira iniciaram a segunda fase, em que devem entregar outros 30%, de modo a que os restantes 40% possam ser entregues até 20 de junho.

Fontes próximas do processo de paz explicaram à agência Efe que a segunda fase de entrega de armas vai continuar, de modo a atingir os 60% nos próximos dias.

Espera-se que a 20 de junho a totalidade das armas pessoais das FARC esteja nas mãos da ONU, restando apenas entregar o material de guerra escondido em mais de 900 depósitos.

Também na quarta-feira o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, destacou o sucesso do acordo de paz com as FARC, afirmando que permitiu encerrar a "fábrica de vítimas" que representou o conflito de mais de cinco décadas.

"Posso dizer-vos que me sinto feliz porque conseguimos, com um acordo realista e sério com o país, encerrar para sempre essa fábrica de vítimas que foi o conflito com as FARC", declarou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.