ONU precisa de 850 milhões de euros para impedir fome em quatro países

O Programa Alimentar Mundial precisa de 850 milhões de euros para impedir a fome em quatro países até ao final do ano, alerta o seu diretor, David Beasley.

"Precisamos de quase 850 mil milhão de dólares para combater a fome nestes países [Iémen, Somália, Sudão do Sul e Nigéria] nos próximos seis meses. Quando estamos com poucos fundos, o programa é obrigado a cortar nas rações de comida, deixando as pessoas com menos do precisam para ter uma vida normal e saudades. Quanto mais dramáticos os cortes, maior o número de pessoas que pode morrer por falta de comida", diz David Beasley em entrevista à Lusa.

"Falta de fundos significa que pessoas podem morrer. É tão simples quanto isso", acrescenta o responsável, frisando que o mundo enfrenta a maior crise humanitária em 70 anos com mais de 20 milhões de pessoas no Iémen, na Somália, no Sudão do Sul e Nigéria em risco de fome.

"Uma fome é uma situação rara. Quatro países à beira de fome ao mesmo tempo? Nunca se ouviu falar. Enfrentamos a maior crise humanitária em 70 anos, com 20 milhões de pessoas perto de morrer à fome em quatro países", alerta David Beasley

"As boas notícias é que estamos a tentar a conseguir resultados na nossa luta contra a fome, e todas as pessoas podem ajudar. O Programa Alimentar Mundial e outras agências têm estado na linha da frente, mas não conseguirmos trabalhar a 100 por cento devido a recursos insuficientes e conflitos que nos impedem de chegar às pessoas que mais precisam de ajuda", explica Beasley.

A proposta de orçamento do Estado dos EUA, apresentada por Donald Trump em março, inclui cortes nas contribuições para as Nações Unidas e os seus programas de ajuda humanitário, mas o orçamento final será elaborado pelo Congresso e Beasley acredita que se vai manter o apoio do país à organização que dirige.

"O programa Alimentar Mundial tem forte apoio bipartidário em Washington. Sei isso devido à minha experiência pessoal a lidar com ambos os lados, no Senado, na Câmara dos Representantes e na administração Trump. Este apoio ficou demonstrado em meses recentes, com votos do orçamento e, mais importante, com o anuncio do presidente Trump na cimeira do G20, em Hamburgo, de que os EUA vão dar mais 639 milhões de dólares para combater a fome", sublinha aquele responsável.

David Beasley, que foi nomeado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, em março, é um político republicano que serviu como governador da Carolina do Sul entre 1995 e 1999.

"Acredito que este apoio bipartidário vai continuar porque estes líderes sabem que é interesse estratégico dos EUA ajudar-nos a combater a fome. O povo americano percebe que apoiar os nossos irmãos e irmãs a volta do mundo não é apenas um ato de coração, é também de cabeça, e acredito firmemente que vão continuar a apoiar de forma generosa o nosso trabalho", conclui o diretor.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.