ONU pede proteção para refugiados

António Guterres apela ao "pleno respeito da legislação internacional sobre refugiados"

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu esta segunda-feira aos Governos europeus que respeitem o direito internacional e protejam os refugiados e migrantes, após a decisão de Itália e Malta de não permitirem o desembarque do barco Aquarius.

"Tenho estado sempre extremamente preocupado com o facto de o espaço para a proteção de refugiados na Europa poder estar a reduzir-se", disse Guterres, quando questionado sobre a posição italiana em relação a esta embarcação, que tem mais de 600 migrantes a bordo e que será, afinal, acolhida por Espanha.

O barco Aquarius, da organização não-governamental francesa SOS Méditerranée, transporta a bordo 629 migrantes resgatados nas últimas horas, dos quais 123 são menores não acompanhados, 11 crianças pequenas e sete mulheres grávidas

O líder das Nações Unidas disse que os países "têm direito a gerir as suas fronteiras" e a "definir as suas próprias políticas de migração", mas instou-os a fazê-lo "de forma sensível à proteção" e "no pleno respeito da legislação internacional sobre refugiados".

O barco Aquarius, da organização não-governamental francesa SOS Méditerranée, transporta a bordo 629 migrantes resgatados nas últimas horas, dos quais 123 são menores não acompanhados, 11 crianças pequenas e sete mulheres grávidas.

A embarcação navegava sem destino no mar Mediterrâneo, depois de Itália e Malta se terem negado a recebê-la nos seus portos, mas esta segunda-feira o novo primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou que poderá atracar em Espanha.

"É nossa obrigação ajudar a evitar uma catástrofe humanitária e oferecer 'um porto seguro' a estas pessoas, cumprindo dessa forma as normas de Direito Internacional", indicou o Governo espanhol em comunicado.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.