ONU estima que violência em Myanmar tenha feito mais de mil mortos

Maioria das vítimas são da população rohingya

A ONU estima que mais de um milhar de pessoas, maioritariamente da minoria muçulmana rohingya, podem ter morrido devido à violência no estado de Rakhine, na Birmânia.

"Pode haver mais de um milhar de pessoas que foram mortas", disse a enviada especial da ONU no país, Yanghee Lee, avançando uma estimativa duas vezes superior à do Governo birmanês.

"Há [mortos] dos dois lados, mas as vítimas concentram-se largamente na população rohingya", disse.

Segundo a ONU, cerca de 164.000 pessoas, a maior parte da comunidade 'rohingya', fugiram da violência na Birmânia em menos de duas semanas e buscam agora refúgio no vizinho Bangladesh.

Composta por cerca de um milhão de pessoas, a minoria 'rohingya' continua ainda a ser considerada como uma comunidade de imigrantes ilegais do "vizinho" Bangladesh, apesar de alguns viverem na Birmânia há várias gerações.

Muitos deles vivem em acampamentos na região oeste do país, depois dos incidentes intercomunitários de grande violência ocorridos em 2012, que causaram pelo menos 160 mortos e deixou 120 mil 'rohingya' confinados a 67 campos de deslocados.

As autoridades birmanesas não reconhecem a cidadania aos 'rohingya' e impõem-lhes múltiplas restrições, incluindo a privação de movimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?