ONU elogia decisão da Índia de despenalizar homossexualidade

"É um grande dia para a Índia e para todos os que acreditam na universalidade dos direitos humanos", afirmou a alta comissária das Nações Unidas, Michelle Bachelet

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, elogiou hoje a decisão do Supremo Tribunal da Índia, que quinta-feira despenalizou, numa decisão histórica, a homossexualidade no segundo país mais populoso do mundo.

"É um grande dia para a Índia e para todos os que acreditam na universalidade dos direitos humanos", afirmou Bachelet, em comunicado.

"Com esta decisão histórica, o Supremo Tribunal deu um grande passo em direção à liberdade e igualdade. Espero que outros tribunais, em outras partes do mundo, olhem para o exemplo da Índia e se sintam encorajados a seguir na mesma direção", acrescentou.

No comunicado, a nova responsável da agência das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), lembra que as leis que criminalizam as relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo violam os direitos fundamentais, incluindo o direito à privacidade e à não-discriminação.

"Estou encantada que o Supremo Tribunal indiano tenha reconhecido isso. A decisão de quinta-feira, que foi unânime e não é passível de recurso, resolve a questão na Índia de uma vez por todas"

"Pelo mundo, tais leis levaram a uma série de abusos contra pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgénero (LGBT), incluindo prisões arbitrárias, violência, 'bullying' na escola, recusa no acesso à saúde e assédio no trabalho", sublinhou a alta comissária.

Para Michele Bachelet, que assumiu a liderança do Alto Comissariado para os Direitos Humanos (ACNUDH) a 1 de setembro, tais leis "não têm lugar no século XXI".

"Estou encantada que o Supremo Tribunal indiano tenha reconhecido isso. A decisão de quinta-feira, que foi unânime e não é passível de recurso, resolve a questão na Índia de uma vez por todas", reforçou.

O Supremo Tribunal da Índia decidiu quinta-feira e com efeito imediato que o Código Penal do país deixará de criminalizar as relações sexuais consensuais entre pessoas do mesmo sexo.

Bachelet reconheceu que a decisão do tribunal não vai alcançar a igualdade "de um dia para o outro", mas prepara o caminho para uma maior "inclusão e aceitação", dissipando o estigma associado à comunidade LGBT na Índia.

A responsável das Nações Unidas desafiou as autoridades indianas a, baseadas na decisão do tribunal, introduzirem rapidamente novas medidas de proteção dos direitos desta comunidade, incluindo medidas antidiscriminação efetivas.

A decisão histórica do Supremo Tribunal põe termo a uma proibição que remontava ao século XIX

Bachelet saudou também a comunidade LGBT indiana especialmente os ativistas que "trabalharam arduamente e esperavam há longo tempo por este momento".

A decisão histórica do Supremo Tribunal põe termo a uma proibição que remontava ao século XIX.

A mais alta instância judicial deste país do sul da Ásia, com 1.250 milhões de habitantes, considerou ilegal um artigo de lei que condenava as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo.

Esta disposição "tornou-se numa arma de perseguição contra a comunidade LGBT", considerou o presidente do Supremo Tribunal, Dipak Misra.

A Índia tornou-se no 124.º país onde os atos homossexuais deixam de ser criminalizados

Segundo o código penal indiano que provém da era colonial britânica, a prática da homossexualidade era passível com pena de prisão perpétua.

O Governo nacionalista hindu de Narendra Modi, conservador sobre as questões de sociedade, optou por não emitir opinião e remeteu para a justiça a decisão da despenalização da homossexualidade.

A Índia tornou-se no 124.º país onde os atos homossexuais deixam de ser criminalizados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.