ONU vai decidir controlo mais apertado a opioides sintéticos

Em causa estão seis opioides sintéticos, derivados do fentanil, um analgésico que é cem vezes mais poderoso do que a morfina e que já provocou milhares de mortes por sobredosagem em todo o mundo

As Nações Unidas iniciaram hoje, em Viena, cinco dias de debate sobre a situação mundial da droga e da toxicodependência, com o objetivo de decidir sobre um maior controlo de seis opioides sintéticos que causaram várias mortes por 'overdose'.

Nas reuniões estarão presentes centenas de representantes governamentais e de organismos internacionais, bem como peritos independentes e de organizações não governamentais.

Na quarta-feira, os 53 Estados que integram a comissão da ONU sobre políticas relativas a drogas vão debater a inclusão de seis opioides sintéticos, derivados do fentanil, para que sejam submetidos a um controlo internacional mais apertado, no seguimento de recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O consumo de substância análogas ao fentanil, um analgésico que é cem vezes mais poderoso do que a morfina, provocou milhares de mortes por sobredosagem em todo o mundo.

Entre os opioides que poderão ser incluídos num controlo mais apertado está o carfentanil, "responsável por centenas de mortes em todo o mundo", segundo a OMS.

O carfentanil é uma droga sintética análoga ao fentanil e que é 10 mil vezes mais potente do que a morfina, sendo usada como anestésico em animais de grande porte.

O diretor executivo para a política contra a droga das Nações Unidas, Yuri Fedotov, considera que o problema das drogas requer uma resposta global que inclua prevenção, redução da procura e tratamento da toxicodependência, segundo declarações citadas pela agência EFE.

De acordo com dados da ONU, mais de 200 mil pessoas morrem todos os anos por consumo de drogas, números que não incluem as mortes violentas relacionadas com o narcotráfico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.