ONG pedem libertação imediata de editor tailandês preso por lesa-majestade

Somyot encontra-se detido em Banguecoque por dois artigos satíricos que, segundo a justiça tailandesa, insultavam o rei

Um grupo de 16 organizações não-governamentais, incluindo a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch, exigiu hoje a libertação imediata de um editor tailandês que cumpre uma pena de dez anos de prisão por um crime de lesa-majestade.

"Instamos o Governo tailandês a acabar com a perseguição de Somyot Phrueksakasemsuk e a colocá-lo imediatamente em liberdade. Além disso, fazemos um apelo ao governo para que o compense adequadamente pela privação arbitrária da sua liberdade", assinalaram as ONG em comunicado.

Somyot, de 54 anos, encontra-se detido em Banguecoque por dois artigos satíricos publicados pela Voice of Taksin, entretanto encerrada, da qual era editor, os quais, segundo a justiça tailandesa, insultavam o rei Bhumibol Adulyadej.

A detenção de Somyot a 30 de abril de 2011 ocorreu cinco dias depois do arranque de uma campanha de recolha de assinaturas para introduzir uma emenda ao artigo que tipifica os delitos de lesa-majestade, que podem ser punidos com uma pena de até 15 anos de prisão.

As ONG alegam que o caso do editor tailandês "desrespeita as obrigações legais da Tailândia", como disposições constantes do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos.

A Federação Internacional dos Direitos Humanos (FIDH) apresentou, em fevereiro, o relatório "36 e contando: os presos por lesa-majestade na Tailândia" em que denuncia as "graves violações dos direitos humanos" cometidos pela junta militar que governa o país desde que chegou ao poder em 2014.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.