China acusada de discriminação de género em anúncios de emprego

Quase um em cada cinco anúncios de emprego para os serviços públicos pede 'apenas homens' ou 'homens de preferência'

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) acusou hoje Pequim e as empresas privadas chinesas de usarem anúncios de emprego discriminatórios de género, apelando para que terminem com esta prática.

"Quase um em cada cinco anúncios de emprego para os serviços públicos da China, em 2018, pedia 'apenas homens' ou 'homens de preferência', enquanto grandes empresas, como o gigante do comércio eletrónico Alibaba, publicaram anúncios de recrutamento que prometiam aos candidatos a possibilidade de trabalharem com mulheres bonitas", afirmou a diretora da HRW para a China, Sophie Richardson.

Grandes empresas, como o gigante do comércio eletrónico Alibaba, prometem aos candidatos a possibilidade de trabalharem com mulheres bonitas

Durante a apresentação do relatório "Apenas os homens podem candidatar-se: discriminação de género em anúncios de emprego na China", Sophie Richardson apelou às autoridades chinesas para que imponham "as leis existentes e que terminem com as práticas de contratação do governo e do setor privado que discriminam abertamente as mulheres".

A HRW analisou mais de 36 mil anúncios de emprego publicados entre 2013 e 2018 em sites chineses de recrutamento e empresas, e chegou à conclusão que muitos dos anúncios especificam um requisito ou preferência em homens.

De acordo com a organização de defesa dos direitos humanos, alguns postos de trabalho exigiam que as mulheres tivessem certos atributos físicos, no que diz respeito à altura, peso, voz ou aparência facial.

"Há propostas de candidatura que usam os atributos físicos das atuais funcionárias das empresas para atrair candidatos do sexo masculino", indicou o relatório.

A organização usou como exemplo um anúncio de emprego do Alibaba, de janeiro deste ano, em que mencionava a "preferência de homens" para dois cargos de especialista em apoio a operações em restaurantes.

"Os anúncios de emprego sexistas favorecem os estereótipos antiquados que persistem nas empresas chinesas", disse Richardson, acusando as empresas de se "orgulharem de serem forças da modernidade e do progresso", mas depois "recorrerem a estas estratégias de recrutamento, o que mostra como a discriminação contra as mulheres, profundamente enraizada, permanece na China".

Por fim, a diretora da HRW para a China diz que "em vez de assediar e prender os ativistas dos direitos das mulheres, o governo chinês devia envolvê-los como aliados no combate à discriminação de género no mercado de trabalho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.