China acusada de discriminação de género em anúncios de emprego

Quase um em cada cinco anúncios de emprego para os serviços públicos pede 'apenas homens' ou 'homens de preferência'

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) acusou hoje Pequim e as empresas privadas chinesas de usarem anúncios de emprego discriminatórios de género, apelando para que terminem com esta prática.

"Quase um em cada cinco anúncios de emprego para os serviços públicos da China, em 2018, pedia 'apenas homens' ou 'homens de preferência', enquanto grandes empresas, como o gigante do comércio eletrónico Alibaba, publicaram anúncios de recrutamento que prometiam aos candidatos a possibilidade de trabalharem com mulheres bonitas", afirmou a diretora da HRW para a China, Sophie Richardson.

Grandes empresas, como o gigante do comércio eletrónico Alibaba, prometem aos candidatos a possibilidade de trabalharem com mulheres bonitas

Durante a apresentação do relatório "Apenas os homens podem candidatar-se: discriminação de género em anúncios de emprego na China", Sophie Richardson apelou às autoridades chinesas para que imponham "as leis existentes e que terminem com as práticas de contratação do governo e do setor privado que discriminam abertamente as mulheres".

A HRW analisou mais de 36 mil anúncios de emprego publicados entre 2013 e 2018 em sites chineses de recrutamento e empresas, e chegou à conclusão que muitos dos anúncios especificam um requisito ou preferência em homens.

De acordo com a organização de defesa dos direitos humanos, alguns postos de trabalho exigiam que as mulheres tivessem certos atributos físicos, no que diz respeito à altura, peso, voz ou aparência facial.

"Há propostas de candidatura que usam os atributos físicos das atuais funcionárias das empresas para atrair candidatos do sexo masculino", indicou o relatório.

A organização usou como exemplo um anúncio de emprego do Alibaba, de janeiro deste ano, em que mencionava a "preferência de homens" para dois cargos de especialista em apoio a operações em restaurantes.

"Os anúncios de emprego sexistas favorecem os estereótipos antiquados que persistem nas empresas chinesas", disse Richardson, acusando as empresas de se "orgulharem de serem forças da modernidade e do progresso", mas depois "recorrerem a estas estratégias de recrutamento, o que mostra como a discriminação contra as mulheres, profundamente enraizada, permanece na China".

Por fim, a diretora da HRW para a China diz que "em vez de assediar e prender os ativistas dos direitos das mulheres, o governo chinês devia envolvê-los como aliados no combate à discriminação de género no mercado de trabalho".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.