OMS volta atrás após polémica. Mugabe já não vai ser embaixador da boa vontade

A nomeação estava a gerar indignação entre a oposição do Zimbabué, ativistas e comunidade internacional. "Surpreendente e dececionante", consideraram o Reino Unido e os EUA

O Organização Mundial de Saúde (OMS) voltou atrás e desistiu da intenção de ter Robert Mugabe como embaixador da boa vontade. A decisão foi anunciada hoje, após uma onda de críticas e indignação devido a esta escolha.

O diretor-geral da OMS, que já anunciara ontem estar a repensar a nomeação do Presidente do Zimbabué para aquele papel, anunciou hoje que decidiu cancelar a nomeação após ter ouvido os argumentos daqueles que estavam preocupados.

No comunicado publicado no site da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus explica que também ouviu o Governo do Zimbabué, tendo concluído que "esta decisão é a melhor para os interesses da OMS".

Afirmando ter por missão "construir um movimento mundial para a saúde global", defende que "este movimento deve trabalhar para todos e incluir todos", assumindo a prioridade de "criar uma unidade em torno da saúde para todos".

A organização especializada da ONU, dirigida desde julho pelo antigo ministro da Saúde da Etiópia Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu a Mugabe, de 93 anos, para ser embaixador da boa vontade e promover a luta contra doenças não transmissíveis em África.

A nomeação, conhecida esta semana, suscitou críticas e indignação, com a oposição do seu país a apontar que o sistema de saúde do Zimbabué colapsou durante o regime autoritário de Mugabe, que está no poder desde 1980.

O Reino Unido, antiga potência colonial, juntou-se ontem às críticas, considerando a decisão da OMS "surpreendente e dececionante, em particular à luz das sanções dos Estados Unidos e da União Europeia contra ele".

Os Estados Unidos consideraram a escolha igualmente "dececionante".

"Esta nomeação contradiz claramente os ideais das Nações Unidas de respeito pelos direitos humanos e pela dignidade humana", afirmou o Departamento de Estado.

O ativista e defensor dos direitos humanos no Zimbabué Doug Coltart escreveu no Twitter: "Um homem que apanha o avião para Singapura para tratamento médico porque destruiu o sistema de saúde do Zimbabué é embaixador da boa vontade da OMS".

O sistema de saúde no Zimbabué, como muitos outros serviços públicos, entrou em colapso com o regime de Mugabe. A maior parte dos hospitais tem falta de medicamentos e equipamentos, enfermeiros e médicos ficam muitas vezes sem salários.

Iain Levine, um dos diretores da organização não-governamental Human Rights Watch apontou a escolha como "embaraçosa" para a OMS e para o seu diretor-geral.

No Zimbabué, o principal partido da oposição, MDC, considerou a nomeação "ridícula".

"O sistema de saúde do Zimbabué está num estado caótico, é um insulto", declarou à AFP um porta-voz do partido, Obert Gutu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.