OMS volta atrás após polémica. Mugabe já não vai ser embaixador da boa vontade

A nomeação estava a gerar indignação entre a oposição do Zimbabué, ativistas e comunidade internacional. "Surpreendente e dececionante", consideraram o Reino Unido e os EUA

O Organização Mundial de Saúde (OMS) voltou atrás e desistiu da intenção de ter Robert Mugabe como embaixador da boa vontade. A decisão foi anunciada hoje, após uma onda de críticas e indignação devido a esta escolha.

O diretor-geral da OMS, que já anunciara ontem estar a repensar a nomeação do Presidente do Zimbabué para aquele papel, anunciou hoje que decidiu cancelar a nomeação após ter ouvido os argumentos daqueles que estavam preocupados.

No comunicado publicado no site da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus explica que também ouviu o Governo do Zimbabué, tendo concluído que "esta decisão é a melhor para os interesses da OMS".

Afirmando ter por missão "construir um movimento mundial para a saúde global", defende que "este movimento deve trabalhar para todos e incluir todos", assumindo a prioridade de "criar uma unidade em torno da saúde para todos".

A organização especializada da ONU, dirigida desde julho pelo antigo ministro da Saúde da Etiópia Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu a Mugabe, de 93 anos, para ser embaixador da boa vontade e promover a luta contra doenças não transmissíveis em África.

A nomeação, conhecida esta semana, suscitou críticas e indignação, com a oposição do seu país a apontar que o sistema de saúde do Zimbabué colapsou durante o regime autoritário de Mugabe, que está no poder desde 1980.

O Reino Unido, antiga potência colonial, juntou-se ontem às críticas, considerando a decisão da OMS "surpreendente e dececionante, em particular à luz das sanções dos Estados Unidos e da União Europeia contra ele".

Os Estados Unidos consideraram a escolha igualmente "dececionante".

"Esta nomeação contradiz claramente os ideais das Nações Unidas de respeito pelos direitos humanos e pela dignidade humana", afirmou o Departamento de Estado.

O ativista e defensor dos direitos humanos no Zimbabué Doug Coltart escreveu no Twitter: "Um homem que apanha o avião para Singapura para tratamento médico porque destruiu o sistema de saúde do Zimbabué é embaixador da boa vontade da OMS".

O sistema de saúde no Zimbabué, como muitos outros serviços públicos, entrou em colapso com o regime de Mugabe. A maior parte dos hospitais tem falta de medicamentos e equipamentos, enfermeiros e médicos ficam muitas vezes sem salários.

Iain Levine, um dos diretores da organização não-governamental Human Rights Watch apontou a escolha como "embaraçosa" para a OMS e para o seu diretor-geral.

No Zimbabué, o principal partido da oposição, MDC, considerou a nomeação "ridícula".

"O sistema de saúde do Zimbabué está num estado caótico, é um insulto", declarou à AFP um porta-voz do partido, Obert Gutu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.