OMS declara novo surto de ébola na República Democrática do Congo

Havia nove suspeitas de casos da febre hemorrágica Ébola no país e três dos pacientes acabaram por morrer. Um dos mortos tinha o vírus

A Organização Mundial de Saúde declarou esta sexta-feira que há um novo surto de ébola na República Democrática do Congo (RDC), após uma pessoa ter morrido com o vírus.

As autoridades dizem que havia nove suspeitas de casos da febre hemorrágica Ébola no nordeste do país. Três dos pacientes acabaram por morrer e foi confirmado que pelo menos uma das vítimas mortais tinha ébola.

"O nosso país deve enfrentar um surto do vírus Ébola que constitui uma crise de saúde pública de importância internacional", disse o ministério da saúde da República Democrática do Congo num comunicado. Segundo o ministério, as vítimas começaram a ficar doentes na província de Baixo Uele, uma zona de difícil acesso, a partir do dia 22 de abril.

"É uma zona muito remota, muito florestal, então temos um pouco de sorte", disse Eugene Kabambi, porta-voz da OMS na República Democrática do Congo, citado pela Reuters. "Nós levamos sempre [estas situações] a sério".

O último surto de ébola na RDC foi em 2014 e matou cerca de 42 pessoas. Um ano antes, em 2013, o vírus fez mais de 11 mil mortos e cerca de 28600 infetados em países como a Serra Leoa, Libéria e Guiné.

A RDC já foi afetada por este surto oito vezes, sendo esta a nona vez que lida com a doença altamente contagiosa.

As primeiras equipas de especialistas, que incluem biólogos, especialistas em higiene e saneamento, entre outros, chegam entre hoje e amanhã a Litaki.

O objetivo é o de iniciar o trabalho de seguimento das pessoas que tiveram contacto com os casos suspeitos, para tentar conter o vírus dentro de um espaço geográfico delimitado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.