OMS declara novo surto de ébola na República Democrática do Congo

Havia nove suspeitas de casos da febre hemorrágica Ébola no país e três dos pacientes acabaram por morrer. Um dos mortos tinha o vírus

A Organização Mundial de Saúde declarou esta sexta-feira que há um novo surto de ébola na República Democrática do Congo (RDC), após uma pessoa ter morrido com o vírus.

As autoridades dizem que havia nove suspeitas de casos da febre hemorrágica Ébola no nordeste do país. Três dos pacientes acabaram por morrer e foi confirmado que pelo menos uma das vítimas mortais tinha ébola.

"O nosso país deve enfrentar um surto do vírus Ébola que constitui uma crise de saúde pública de importância internacional", disse o ministério da saúde da República Democrática do Congo num comunicado. Segundo o ministério, as vítimas começaram a ficar doentes na província de Baixo Uele, uma zona de difícil acesso, a partir do dia 22 de abril.

"É uma zona muito remota, muito florestal, então temos um pouco de sorte", disse Eugene Kabambi, porta-voz da OMS na República Democrática do Congo, citado pela Reuters. "Nós levamos sempre [estas situações] a sério".

O último surto de ébola na RDC foi em 2014 e matou cerca de 42 pessoas. Um ano antes, em 2013, o vírus fez mais de 11 mil mortos e cerca de 28600 infetados em países como a Serra Leoa, Libéria e Guiné.

A RDC já foi afetada por este surto oito vezes, sendo esta a nona vez que lida com a doença altamente contagiosa.

As primeiras equipas de especialistas, que incluem biólogos, especialistas em higiene e saneamento, entre outros, chegam entre hoje e amanhã a Litaki.

O objetivo é o de iniciar o trabalho de seguimento das pessoas que tiveram contacto com os casos suspeitos, para tentar conter o vírus dentro de um espaço geográfico delimitado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.