OMS convoca Comité de Emergência para analisar evolução do ébola

Organização disse estar a preparar-se para o "pior dos cenários"

O Comité de Emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reunir-se esta sexta-feira por teleconferência para analisar a evolução da epidemia do Ébola na República Democrática do Congo (RDC).

Uma vez concluídas as discussões, os especialistas apresentarão um relatório ao diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, no qual podem recomendar a manutenção das medidas de vigilância e controle, ou que seja declarada uma "emergência de saúde" internacional, disse à agência Efe um porta-voz da organização.

O Diretor-Geral da OMS divulgará posteriormente os resultados das deliberações e decisões científicas tomadas, numa conferência de imprensa durante a tarde em Genebra.

Tedros deveria ter comparecido na quinta-feira perante os jornalistas para anunciar as prioridades da 71.ª Assembleia Anual da OMS, que acontecerá na próxima semana em Genebra, com a presença de ministros e outras autoridades de saúde dos 194 estados-membros.

No entanto, devido à perturbadora evolução do Ébola na República Democrática do Congo, Tedros dedicará a sua conferência de imprensa a esta situação e às suas implicações internacionais, disse a porta-voz da OMS, Fadela Chaib.

Na semana passada, a OMS considerou "elevado" o risco de propagação da epidemia do Ébola na República Democrática do Congo (RDC) e disse que estava a preparar-se para o "pior dos cenários".

"Estamos muito preocupados e (...) a preparar-nos para todos os cenários, incluindo o pior", declarou na altura o diretor do programa de gestão de situações de emergência da OMS, Peter Salama, durante uma conferência de imprensa em Genebra.

O responsável, citado pela France Presse, precisou que a agência especializada das Nações Unidas contabilizou 32 casos, entre os quais 18 mortes, entre 04 de abril e 09 de maio.

A última epidemia do Ébola de impacto internacional ocorreu na África Ocidental entre 2014 e 2016, causando mais de 11.000 mortes na Guiné, Serra Leoa e Libéria, países cujas economias e estruturas sociais sofreram gravemente com a situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.