Oklahoma quer passar a executar condenados à morte com gás de nitrogénio

Fabricantes não querem ver os seus produtos associados a execuções. Desde 2015 que o Estado norte-americano não executa nenhum condenado à morte, depois de uma série de polémicas

Dirigentes estaduais do Oklahoma anunciaram esta quarta-feira que pretendem usar gás de nitrogénio para executar os condenados quando este Estado recomeçar a aplicar a pena de morte, no que será a primeira aplicação desta modalidade de execução.

O anúncio foi feito pelo procurador-geral estadual, Mike Hunter, e o diretor das prisões, Joe Allbaugh.

Oklahoma e outros Estados não têm conseguido obter as drogas requeridas para a injeção letal, perante a oposição dos fabricantes em verem os seus produtos associados às execuções.

Este Estado tem sido um dos que mais execuções faz nos EUA, mas desde 2015 que não executou qualquer condenado à morte, devido a uma série de situações polémicas, incluindo uma injeção letal, em 2014, que foi mal executada e deixou um condenado a contorcer-se na maca.

Hunter afirmou que o uso do nitrogénio é a melhor maneira de recomeçar as execuções no Oklahoma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.