Oito pescadores angolanos estiveram à deriva durante quase 20 dias

Embarcação e tripulação não têm documentação regularizada

Um grupo de oito pescadores angolanos, que alegadamente praticavam pesca ilegal em águas nacionais, foi resgatado com vida depois de quase 20 dias à deriva no mar, anunciou hoje a polícia fiscal.

Em declarações à imprensa, o capitão do navio, Tomás David, disse que a embarcação se fez ao mar no dia 19 de maio, tendo registado uma avaria que os deixou à deriva durante esse período.

Tomás David contou que, depois de duas semanas, ficaram sem alimentação e sem comunicação.

Segundo o subcomissário Júlio Vunge, da polícia fiscal, a localização dos pescadores, na zona de Ambriz, província do Bengo, foi possível através de informação fornecida por plataformas petrolíferas.

Já o chefe da capitania do porto, João Batista, disse que a embarcação e a tripulação não têm a documentação regularizada, pelo que serão aplicadas multas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.