Oito idosos morrem em lar que Irma deixou sem ar condicionado

O governador da Florida, Rick Scott, prometeu um inquérito para apurar o que se passou.

Oito idosos que viviam num lar em Hollywood, na Florida, morreram depois de o edifício ter ficado sem ar condicionado com a passagem do furacão Irma, no domingo. O governador da Florida, Rick Scott, prometeu um inquérito para apurar o que se passou.

Inicialmente, três pessoas foram encontradas mortas no interior do lar, tendo outra morrido a caminho do hospital. Ao longo do dia, outras três morreram no hospital e a polícia foi informada de uma quarta morte, ainda na madrugada de quarta-feira, que não tinha sido contabilizada porque a vítima foi levada diretamente para uma casa mortuária.

No total, mais de cem pessoas foram transportadas do lar para os hospitais da região. "A maioria dos pacientes foi tratada por problemas respiratórios, desidratação e questões relacionadas com o calor", indicou um porta-voz do hospital, Randy Katz, citado pela Reuters.

"Não sei quantas mais vão morrer", disse o patologista responsável, Craig T. Mallack, citado pelo The New York Times. "Estamos a falar de pessoas muito doentes", acrescentou. As vítimas tinham entre 71 e 99 anos.

Segundo as autoridades, o lar tinha eletricidade, mas o transformador que mantinha o ar condicionado a funcionar sofreu "uma falha elétrica prolongada". O centro tinha reportado às autoridades ter eletricidade e acesso a ares condicionados portáteis.

"Vou exigir respostas sobre como ocorreu esta tragédia. Apesar de ainda se investigarem os detalhes das mortes, isto é incompreensível", indicou o governador num comunicado.

O furacão Irma, que atingiu a Florida no domingo depois de deixar um rastro de destruição nas Caraíbas, matou pelo menos 38 pessoas na Florida, Georgia e Carolina do Sul, Cerca de 4,2 milhões de casas continuavam ontem sem eletricidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?