Oito idosos morrem em lar que Irma deixou sem ar condicionado

O governador da Florida, Rick Scott, prometeu um inquérito para apurar o que se passou.

Oito idosos que viviam num lar em Hollywood, na Florida, morreram depois de o edifício ter ficado sem ar condicionado com a passagem do furacão Irma, no domingo. O governador da Florida, Rick Scott, prometeu um inquérito para apurar o que se passou.

Inicialmente, três pessoas foram encontradas mortas no interior do lar, tendo outra morrido a caminho do hospital. Ao longo do dia, outras três morreram no hospital e a polícia foi informada de uma quarta morte, ainda na madrugada de quarta-feira, que não tinha sido contabilizada porque a vítima foi levada diretamente para uma casa mortuária.

No total, mais de cem pessoas foram transportadas do lar para os hospitais da região. "A maioria dos pacientes foi tratada por problemas respiratórios, desidratação e questões relacionadas com o calor", indicou um porta-voz do hospital, Randy Katz, citado pela Reuters.

"Não sei quantas mais vão morrer", disse o patologista responsável, Craig T. Mallack, citado pelo The New York Times. "Estamos a falar de pessoas muito doentes", acrescentou. As vítimas tinham entre 71 e 99 anos.

Segundo as autoridades, o lar tinha eletricidade, mas o transformador que mantinha o ar condicionado a funcionar sofreu "uma falha elétrica prolongada". O centro tinha reportado às autoridades ter eletricidade e acesso a ares condicionados portáteis.

"Vou exigir respostas sobre como ocorreu esta tragédia. Apesar de ainda se investigarem os detalhes das mortes, isto é incompreensível", indicou o governador num comunicado.

O furacão Irma, que atingiu a Florida no domingo depois de deixar um rastro de destruição nas Caraíbas, matou pelo menos 38 pessoas na Florida, Georgia e Carolina do Sul, Cerca de 4,2 milhões de casas continuavam ontem sem eletricidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.