Obama reforça importância de uma Europa forte para os EUA

Obama tem procurado acalmar os receios dos parceiros da NATO quanto às intenções do Presidente eleito Donald Trump

O Presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou em Atenas que uma Europa "forte" é importante para os americanos, salientando que a NATO é "absolutamente vital" para a segurança e a prosperidade dos Estados Unidos.

"Acreditamos que uma Europa forte, próspera e unida não é só bom para o povo da Europa, mas também é bom para o mundo e bom para os Estados Unidos", disse Barack Obama ao lado do seu homólogo grego Prokopis Pavlopoulos, em declarações no palácio presidencial na capital grega, a primeira paragem do seu último périplo na Europa como chefe de Estado norte-americano.

O Presidente dos Estados Unidos salientou que a relação transatlântica é "a pedra angular da segurança mútua [da Europa e dos Estados Unidos] bem como da prosperidade".

Obama tem procurado acalmar os receios dos parceiros da Aliança Atlântica quanto às intenções do Presidente eleito Donald Trump em relação à NATO, que durante a campanha presidencial questionou a relevância desta aliança militar.

Na capital grega, Barack Obama enfatizou que a NATO "é algo que contém uma importante continuidade mesmo quando testemunhamos uma transição de governo nos Estados Unidos".

"Em todas as administrações democratas e republicanas, foi reconhecido que a NATO é absolutamente vital", sublinhou.

Antes desta viagem à Europa, Obama tinha afirmado, na primeira conferência de imprensa após as eleições americanas de 8 de novembro, que ia aproveitar esta deslocação para garantir o "compromisso" de Donald Trump com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

"Na minha conversa com o Presidente eleito, ele expressou o seu grande interesse em manter as nossas principais relações estratégicas e uma das mensagens que poderei entregar é o seu compromisso com a NATO e com a aliança transatlântica", afirmou o ainda Presidente norte-americano na segunda-feira na Casa Branca.

Numa altura em que a Grécia se prepara para aplicar um programa de reformas difíceis exigidas pelos credores internacionais, o chefe de Estado norte-americano considerou que a "austeridade só por si" não permite alcançar a prosperidade.

"Na minha mensagem ao resto da Europa, vou continuar a enfatizar a nossa visão de que a austeridade só por si não pode trazer prosperidade", referiu Obama, em declarações já ao lado do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Depois de uma visita de dois dias à Grécia, Obama desloca-se à Alemanha, onde será recebido pela chanceler alemã, Angela Merkel.

Ler mais

Exclusivos