Obama reforça importância de uma Europa forte para os EUA

Obama tem procurado acalmar os receios dos parceiros da NATO quanto às intenções do Presidente eleito Donald Trump

O Presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou em Atenas que uma Europa "forte" é importante para os americanos, salientando que a NATO é "absolutamente vital" para a segurança e a prosperidade dos Estados Unidos.

"Acreditamos que uma Europa forte, próspera e unida não é só bom para o povo da Europa, mas também é bom para o mundo e bom para os Estados Unidos", disse Barack Obama ao lado do seu homólogo grego Prokopis Pavlopoulos, em declarações no palácio presidencial na capital grega, a primeira paragem do seu último périplo na Europa como chefe de Estado norte-americano.

O Presidente dos Estados Unidos salientou que a relação transatlântica é "a pedra angular da segurança mútua [da Europa e dos Estados Unidos] bem como da prosperidade".

Obama tem procurado acalmar os receios dos parceiros da Aliança Atlântica quanto às intenções do Presidente eleito Donald Trump em relação à NATO, que durante a campanha presidencial questionou a relevância desta aliança militar.

Na capital grega, Barack Obama enfatizou que a NATO "é algo que contém uma importante continuidade mesmo quando testemunhamos uma transição de governo nos Estados Unidos".

"Em todas as administrações democratas e republicanas, foi reconhecido que a NATO é absolutamente vital", sublinhou.

Antes desta viagem à Europa, Obama tinha afirmado, na primeira conferência de imprensa após as eleições americanas de 8 de novembro, que ia aproveitar esta deslocação para garantir o "compromisso" de Donald Trump com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

"Na minha conversa com o Presidente eleito, ele expressou o seu grande interesse em manter as nossas principais relações estratégicas e uma das mensagens que poderei entregar é o seu compromisso com a NATO e com a aliança transatlântica", afirmou o ainda Presidente norte-americano na segunda-feira na Casa Branca.

Numa altura em que a Grécia se prepara para aplicar um programa de reformas difíceis exigidas pelos credores internacionais, o chefe de Estado norte-americano considerou que a "austeridade só por si" não permite alcançar a prosperidade.

"Na minha mensagem ao resto da Europa, vou continuar a enfatizar a nossa visão de que a austeridade só por si não pode trazer prosperidade", referiu Obama, em declarações já ao lado do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Depois de uma visita de dois dias à Grécia, Obama desloca-se à Alemanha, onde será recebido pela chanceler alemã, Angela Merkel.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.